Terceira dose da vacina contra a Covid-19 será aplicada em idosos a partir de 6 de setembro

Comitê científico do governo diz que será “um passo a mais” na proteção dos idosos

Terceira dose da vacina contra a Covid-19 será aplicada em idosos a partir de 6 de setembro

Foto: DIVULGAÇÃO - Aplicação da terceira dose será feita com o imunizante que estiver disponível no momento

Da Reportagem Local

O Governo do Estado vai iniciar a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 a partir de 6 de setembro para idosos com mais de 60 anos. O anúncio foi feito ontem (25) em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. O reforço vacinal só poderá ser feito após seis meses da aplicação da segunda dose.

De acordo com o coordenador do comitê científico do governo, Paulo Menezes, a terceira dose é um “passo a mais” na proteção dos idosos neste momento em que a variante Delta se torna dominante.

“A variante Delta se espalhou, se tornou dominante. Agora, é um passo a mais na proteção destas pessoas. Estamos vendo vários países aplicando a dose adicional. Assim, o comitê entende que é muito adequado ter essa condição também para nossa população mais vulnerável”, disse.

O coordenador-executivo do comitê científico, João Gabbardo, afirmou que a aplicação da terceira dose será feita com o imunizante que estiver disponível no momento. A vacina da Janssen, que possui apenas uma dose, também terá reforço.

“O posicionamento do comitê científico é que essa terceira dose ou a dose adicional pode ser utilizada com a vacina que tivermos disponível. Quando chegar a vez da Janssen, que é dose única, também haverá reforço. A vacina ou fabricante ficará de acordo com a disponibilidade”, explica Gabbardo.

Ainda segundo o comitê, os indicadores da Covid-19 no Estado de São Paulo estão em constante melhora mesmo com o aparecimento de casos da variante Delta em São Paulo, mas o reforço vacinal se faz necessário.

“O que se sabe, pela experiência de outros países, que o enfrentamento dessa variante se dá de forma mais positiva quando as pessoas já estão com o esquema vacinal completo com as duas doses”, frisa o coordenador-executivo.

Gabbardo alerta que o comitê entende ser fundamental a antecipação da segunda dose da vacina com a diminuição do tempo entre a primeira dose e a segunda.

“Para isso foi encaminhado ao Ministério da Saúde essa solicitação de antecipação desses prazos. Também a questão de uma terceira dose/dose de reforço às faixas etárias consideradas, os idosos. Lembro que isso está sendo feito com todas as vacinas, independente da vacina utilizada nos idosos.”