Secretaria de Estado da Saúde descarta presença da variante Ômicron em Catanduva

Apesar disso, município registrou 1.036 casos positivos de Covid-19 em apenas seis dias

Secretaria de Estado da Saúde descarta presença da variante Ômicron em Catanduva

Foto: DIVULGAÇÃO - Secretaria de Estado da Saúde reforça importância das medidas sanitárias

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local
Publicado em 15/01/2022

Os novos casos de coronavírus dobraram nos últimos 15 dias em Catanduva. Apesar do aumento no número de casos ativos da doença, a Secretaria de Estado da Saúde afirma que não há presença da variante ômicron no município.

“O Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo divulgou na terça-feira (11) balanço atualizado que aponta 153 casos da variante Ômicron, todos com resultado de sequenciamento genético e investigação epidemiológica”, apontou.

Segundo o órgão, desse total, são 100 casos na Capital, que já confirmou transmissão comunitária; 11 em Ribeirão Preto, 9 em Jandira, 8 em Ilhabela, 7 em Caraguatatuba, 3 em Araraquara, 3 em Franca, 2 em Pradópolis.

Além disso, cada uma das cidades a seguir tem 1 caso confirmado cada: Santos, Porto Feliz, Guarulhos, Limeira, São José dos Campos, Osasco, Mirassol, Piracicaba, Campinas e Cotia.

A pasta alerta que a ômicron é considerada variante de atenção. “A Ômicron, assim como a Alpha, Beta, Gamma e Delta, são classificadas como "variantes de atenção" pelas autoridades sanitárias devido à possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade da infecção, por exemplo. Análises do Instituto Adolfo Lutz e do CVE identificaram no decorrer da pandemia 3 casos autóctones de Beta, 54 de Alpha, 2.917 de Gamma e 15.317 de Delta.”

O órgão explica ainda que a confirmação da doença é realizada através de monitoramento do cenário epidemiológico. “A confirmação de uma variante ocorre por meio de sequenciamento genético, um instrumento de vigilância, ou seja, de monitoramento do cenário epidemiológico, que não deve ser confundido com diagnóstico, este sim de caráter individual. Portanto, não é necessário, do ponto de vista técnico e científico, sequenciamentos individualizados, uma vez confirmada a circulação local da variante.”

Por fim, a Secretaria de Estado da Saúde reforça a importância das medidas sanitárias. “As medidas já conhecidas pela população seguem cruciais para combater a pandemia do coronavírus: uso de máscara, que segue obrigatório em SP; higienização das mãos (com água e sabão ou álcool em gel); distanciamento social; e a vacinação contra a Covid-19.”

AUMENTO DE CASOS

Em apenas seis dias, Catanduva registrou 1.036 casos positivos de Covid-19. No boletim divulgado no dia 7 de janeiro, a cidade contabilizava 19.315 casos, já o boletim divulgado na quinta-feira, dia 13, indica 20.351 casos positivos.

Catanduva também registrou aumento em internações. No dia 7 de janeiro, a enfermaria do Hospital Padre Albino estava com 75% de ocupação; SUS do Emílio Carlos 90% e convênio 25%; Hospital São Domingos 15% e UPA 10%. Já a UTI apresentava 70% no SUS do Emílio Carlos; 28% na UPA e 0% no Hospital Padre Albino, São Domingos e convênio do Emílio Carlos.

Na quinta-feira, dia 13, a enfermaria do Hospital Padre Albino registrou 125% de ocupação; SUS do Emílio Carlos 90% e convênio 25%; São Domingos 46% e UPA 32%. Na UTI, a taxa era de 80% no SUS do Emílio Carlos e 6% no convênio; 16% no Hospital São Domingos e 0% na UPA e Padre Albino.