Secretaria de Estado da Saúde descarta casos da variante Delta em Catanduva

Nova variante foi detectada em 35 cidades do Estado de São Paulo

Secretaria de Estado da Saúde descarta casos da variante Delta em Catanduva

Foto: DIVULGAÇÃO - Balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica aponta 266 casos da Delta em São Paulo

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local

Catanduva está em momento de alerta com a variante Delta do coronavírus, que se tornou a nova fonte de preocupação no combate à pandemia da Covid-19.

O Jornal O Regional entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e com o Instituto Adolfo Lutz questionando se há presença da nova variante no município. De acordo com o órgão estadual, Catanduva não consta na lista das cidades com registros da mutação.

Balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) aponta 266 casos da variante Delta no Estado de São Paulo, sendo 57 casos autóctones, 10 casos importados e 199 confirmações em fase de investigação epidemiológica.

As cidades em que foi identificada a presença da mutação originária na Índia, até este momento, são: Aparecida, Botucatu, Caieiras, Cajamar, Caraguatatuba, Cordeirópolis, Cruzeiro, Franco da Rocha, Guaratinguetá, Guarulhos, Ibirarema, Itapecerica da Serra, Itapevi, Itapira, Jarinu, Jundiaí, Marília, Mogi Guaçu, Osasco, Ourinhos, Pindamonhangaba, Piquete, Pirassununga, Poá, Potim, Roseira, Santos, São José dos Campos, São Paulo, São Vicente, Serrana, Taboão da Serra, Taubaté, Ubatuba e Valinhos.

A Delta, assim como a Alpha, Beta e Gamma são classificadas como "variantes de atenção" pelas autoridades sanitárias devido à possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade da infecção, por exemplo. Até 23 de agosto, análises do Instituto Adolfo Lutz e do CVE identificaram 3 casos autóctones de Beta, 36 de Alpha e 888 de Gamma em São Paulo.

A confirmação ocorre por meio de sequenciamento genético, um instrumento de vigilância, ou seja, de monitoramento do cenário epidemiológico, que não deve ser confundido com diagnóstico, este sim de caráter individual. Portanto, não é necessário, do ponto de vista técnico e científico, sequenciamentos individualizados, uma vez confirmada a circulação local da variante.

A SES reforça que as medidas sanitárias já conhecidas pela população seguem cruciais para combater a pandemia do coronavírus, tais como: uso de máscara, higienização das mãos (com água e sabão ou álcool em gel); distanciamento social e a vacinação contra a Covid-19.