Neta reclama de transferência da avó para ala Covid sem explicações à família

Contrária ao isolamento imposto, ela diz que o desejo da idosa é morrer em casa

Neta reclama de transferência da avó para ala Covid sem explicações à família

Foto: Divulgação / HEC - Paciente de 90 anos está internada no Hospital Emílio Carlos

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 29/10/2021

A transferência de Maria Aparecida Raimundo, 90, para a ala Covid do Hospital Emílio Carlos (HEC) causou indignação na sua neta Janaína Cristina Vieira Soares, 34. Ela levou a avó até a UPA no sábado, dia 23, onde a idosa foi internada e transferida para a emergência do Hospital Padre Albino. Depois de três dias de internação, foi transferida para a enfermaria do HEC.

“Estou acompanhando minha avó todo esse tempo e, hoje, ao sair para almoçar, ela foi transferida para a ala de isolamento Covid sem qualquer explicação, sem avisarem ou pedir autorização. Tentei argumentar com uma enfermeira e uma vigia, e fui destratada, mandaram procuraram a polícia e a imprensa”, declarou, cogitando conduta racista das funcionárias.

Segundo a neta, ela apresentava taquicardia, pressão alta e problemas renais, e não teve exame positivo para Covid até então. “Tenho todos os resultados aqui comigo”, alega.

Contrária ao isolamento, Janaina diz que o desejo da avó é morrer em casa. “Vou fazer de tudo para levar minha avó para casa”. Ela também afirmou que irá registrar boletim de ocorrência.

A reportagem do Jornal O Regional encaminhou o relato à Fundação Padre Albino, mantenedora do Hospital Emílio Carlos, para apuração do caso.