Medicina Chinesa pode diminuir ansiedade intensificada pela pandemia

Prática integrativa complementar envolve acupuntura, fitoterapia e exercícios

Medicina Chinesa pode diminuir ansiedade intensificada pela pandemia

Foto: DIVULGAÇÃO - Especialista em Acupuntura, Paula Afonso fez estudos avançados na China

Da Reportagem Local
Publicado em 20/12/2021

A ansiedade, tema extremamente atual, já era bastante discutida muito antes da pandemia. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que ela afeta 18,6 milhões de brasileiros. Questões como isolamento social, perda de familiares e problemas financeiros agravam este transtorno e trazem novas reflexões.

Devido à intensificação dos quadros de ansiedade, a busca por tratamentos que possam amenizar sintomas aumenta a cada dia. Dentre os tratamentos existentes, como a terapia, tratamento alopático com psiquiatras, hoje também se implementa muito o uso das práticas integrativas.

Segundo a especialista em acupuntura, Paula Alonso, que atua em Catanduva e cursou estudos avançados na China, na TCM Shandong University, “as práticas integrativas e complementares, denominadas PICs, hoje são consideradas ferramentas coadjuvantes à medicina convencional”.

Entre as PICs está a Medicina Chinesa, que atua através da acupuntura, fitoterapia e exercícios. “O paciente passa a ser visto de uma forma mais ampla e global, e não é apenas avaliado pelos sintomas da ansiedade, como a palpitação e falta de ar, e sim, busca-se enxergar no contexto geral o que está por trás destas sensações, o que causa esta desarmonia no corpo”, diz.

A especialista complementa ainda que “é uma técnica com base científica, pois os pontos de acupuntura estão em terminações nervosas que levam informações ao sistema nervoso central. Ao buscar na maior base de dados científica internacional na área da saúde, o Pubmed, encontra-se mais de 1.200 artigos sobre o assunto ansiedade e acupuntura.”

Na Medicina Chinesa, o paciente é analisado por meio de um amplo questionário, desde a parte do sono, funcionamento intestinal, sudorese, aspectos emocionais, para que possa haver a melhor seleção dos pontos de acupuntura e da fitoterapia. Observa-se também a intensidade do pulso e os aspectos da língua do paciente para saber como o corpo se comporta internamente.

A Medicina Chinesa é uma ferramenta para tratamento da ansiedade, com a grande vantagem de atuar junto com os remédios e até mesmo de reduzi-los de forma gradativa, para que o paciente tenha menos efeitos colaterais e menor dependência medicamentosa.