EMCAa conclui Semana Nacional de Combate às Arboviroses com trabalho educativo

Agentes intensificaram eliminação de criadouros e fizeram 'pedágio'

EMCAa conclui Semana Nacional de Combate às Arboviroses com trabalho educativo

Foto: PREFEITURA DE CATANDUVA - Agentes fazem vistoria casa a casa e retiram objetos que possam acumular água

Da Reportagem Local
Publicado em 22/11/2021

A Equipe Municipal de Combate ao Aedes aegypti (EMCAa) concluiu a Semana Nacional de Combate às Arboviroses, realizada de 8 a 12 de novembro, com trabalho educativo. Os agentes intensificaram ações na eliminação de criadouros, no recolhimento de pneus, além de conscientização porta a porta e pedágio educativo na região central da cidade.

As ações têm como objetivo conquistar melhores resultados na prevenção e controle da dengue, chikungunya e Zika, arboviroses que têm mesmo vetor responsável pela transmissão aos humanos, o Aedes. Com o calor e as chuvas, o ambiente torna-se propício para a instalação de criadouros e a proliferação do mosquito.

Conforme informações do chefe da seção de Controle de Zoonoses Kênio Suliani da Costa, para evitar a proliferação, é preciso vigilância constante.

“A grande importância desse trabalho, além de orientar a população, é esclarecer o que é o mosquito Aedes, o que ele transmite, quais são as doenças e como evitar a proliferação. Nosso objetivo é que não haja a oferta de criadouros para o mosquito se proliferar e que as doenças não venham a atingir nosso município”.

Após o término da Semana Nacional, a EMCAa dará continuidade no trabalho intensificado com as atividades diárias de bloqueio, nebulização, vistoria casa a casa e a retirada de criadouros em locais irregulares.

“Mesmo depois que as ações da Semana Nacional terminarem, o nosso trabalho reiniciará a todo vapor”, finaliza Costa.

INFESTAÇÃO

Reportagem do Jornal O Regional de 11 de novembro mostrou, com exclusividade, que o índice de infestação do Aedes registrado no Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (Lira) de outubro foi de 2,6%. O resultado ficou acima do 1,3% aferido em julho e da taxa de 1% recomendada como limite máximo permitido pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com a EMCAa, os principais criadouros identificados são ralos internos e externos, bebedouros de consumo animal, vasos de planta, pneus, lonas, plásticos e materiais inservíveis. Os bairros com maior quantidade de larvas encontradas foram o Centro, Jardim Bela Vista, Higienópolis, São Francisco, Parque Iracema, Conj. Hab. Orlando Facci e Aeroporto.

NÚMEROS

A Secretaria Municipal de Saúde não divulga atualizações sobre os casos de dengue do município há dois meses. O último boletim foi publicado no dia 21 de setembro e mostrava 414 diagnósticos positivos registrados no ano. Havia, ainda, 67 exames aguardando resultado.