Centro de Atendimento Covid fecha suas portas apenas 3 meses depois de iniciar atividades

Quem tiver sintomas gripais deve procurar unidades de saúde ou a UPA

Centro de Atendimento Covid fecha suas portas apenas 3 meses depois de iniciar atividades

Foto: PREFEITURA DE CATANDUVA - Centro Covid funcionou pouco mais de 3 meses na Estação Cultura

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

O Centro de Atendimento Covid fechará suas portas hoje, pouco mais de 3 meses depois de começar a funcionar. A partir da próxima semana, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, os atendimentos de triagem e a testagem voltam a ser feitos nas unidades de saúde nos bairros, além da UPA, que funciona 24 horas.

“A Secretaria Municipal de Saúde mantém alerta, com monitoramento do cenário da pandemia do coronavírus em Catanduva. Caso seja necessário, outras ações de enfrentamento ao vírus serão tomadas. A orientação aos munícipes é que respeitem os protocolos sanitários e protocolos de prevenção à Covid-19”, informou o setor.

Na avaliação da secretária municipal de Saúde, Cláudia Monteiro, a unidade foi implantada no momento correto, em que era necessário separar os públicos das duas campanhas de vacinação – Covid e Influenza.

“O Centro Covid foi organizado no momento necessário, onde nós estávamos iniciando a campanha de vacinação contra a Covid e a Influenza e, agora, com o avanço da vacinação e uma boa cobertura aqui no município, com mais de 60% das pessoas já com a primeira dose, números de casos positivos com redução considerável, é o momento de retornarmos o atendimento às unidades básicas de saúde”, comentou.

Segundo a secretária, quem tiver sintomas gripais pode procurar a unidade de saúde mais próxima ou a UPA.

POLÊMICA

O Centro Covid foi alvo de polêmica no início do mês, a partir de denúncia veiculada pelo Jornal O Regional, pelo não atendimento de pacientes aos finais de semana. Uma munícipe e seu marido, ambos com sintomas da doença, estiveram no local e se depararam com as portas fechadas. Depois, seguiram para a UPA, onde também não conseguiram fazer o teste.

A estrutura implantada na Estação Cultura envolve contratos milionários mantidos pela Secretaria de Saúde junto à Associação Mahatma Gandhi. A organização recebe mais de R$ 4 milhões por mês para gerenciar a UPA, o Pronto Atendimento instalado no Postão, as unidades de saúde e, durante a pandemia, o Centro Covid e os postos de vacinação contra a doença.