Catanduva fecha ano com 448 casos positivos de dengue e pico no mês de maio

No comparativo com 2020, houve redução de 94% nas confirmações da doença

Catanduva fecha ano com 448 casos positivos de dengue e pico no mês de maio

Foto: ARQUIVO/PREFEITURA DE CATANDUVA - Equipes se mobilizam em limpeza de imóvel abandonado

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 06/01/2022

O município de Catanduva encerrou o ano de 2021 com 448 casos positivos de dengue. O número consta em relatório da Secretaria Municipal de Saúde ao qual o Jornal O Regional teve acesso. Pelo menos 724 casos suspeitos foram descartados nos exames ao longo do ano.

No comparativo com o ano anterior, houve redução de 94% nos diagnósticos da doença. Em 2020, Catanduva contabilizou mais de 7,4 mil confirmações e 12 mortes por dengue, com pico da doença nos meses de janeiro e fevereiro, quando foi decretada epidemia no município.

Pelo relatório de 2021, o ápice das confirmações foi em maio, quando houve 133 resultados positivos para dengue, conforme a data dos primeiros sintomas. O primeiro semestre foi de números elevados, com 26 casos em janeiro, 25 em fevereiro, 50 em março, 80 em abril e 65 em junho.

A partir daí, os índices caíram, com 32 pessoas infectadas no mês de julho, 4 em agosto, 9 em setembro, 9 em outubro, 7 em novembro e 8 em dezembro. O número de casos em investigação não foi divulgado pela Secretaria de Saúde.

Ao longo do ano, a Equipe Municipal de Combate ao Aedes aegypti (EMCAa) realiza trabalho contínuo de bloqueio, nebulização, vistoria casa a casa e a retirada de criadouros em locais irregulares. Também foram feitas ações nas escolas e campanhas de conscientização.

“Nosso objetivo é que não haja a oferta de criadouros para o mosquito se proliferar e que as doenças não venham a atingir nosso município”, enaltece o chefe da seção de Controle de Zoonoses, Kênio Suliani da Costa.

AVALIAÇÃO

A EMCAa iniciou nova rodada da Avaliação de Densidade Larvária (ADL) na segunda-feira, dia 3. A ação vai até o dia 18 de janeiro e consiste em identificar a situação atual da cidade, por bairro, referente à quantidade e infestação de larvas e criadouros do Aedes.

Durante o trabalho, 3 mil imóveis serão vistoriados de forma aleatória, a partir de sorteio. A pesquisa é executada em toda a cidade, que é dividida em cinco áreas, cada uma com média de 600 imóveis residenciais, comerciais e pontos estratégicos que serão vistoriados.

 No último levantamento, em outubro de 2021, Catanduva apresentou índice insatisfatório de 2,6% e entrou em estado de alerta. O recomendado pela Organização Mundial de Saúde é de 1%. Para denunciar locais que possam ter criadouros, o telefone é (17) 3531-9200.