Bebê volta aos braços da mãe após 78 dias de internação

Estrutura do hospital e experiência dos profissionais foram fundamentais

Bebê volta aos braços da mãe após 78 dias de internação

Foto: UNIMED CATANDUVA - Família de Helena celebrou alta junto à equipe do HUSD

Da Reportagem Local

A bebê Helena Flora de Brito recebeu alta hospitalar na manhã de quinta-feira, 16 de setembro, depois de passar 78 dias internada no Hospital Unimed São Domingos (HUSD), da Unimed Catanduva. Ela nasceu prematura no dia 2 de julho, na 27ª semana de gestação da mãe, Milena de Brito Vilela, que passou por complicações pela Covid-19.

A despedida foi marcada pela emoção e alegria dos familiares e profissionais que a acompanharam durante o período, com direito a bexigas e corredor de honra. A comemoração ocorreu no acesso principal da unidade e foi organizada pelos profissionais de saúde junto ao Comitê de Humanização do hospital.

Helena, que nasceu com apenas 38 centímetros e 900 gramas, teve boa recuperação e, na alta, alcançou os 46 centímetros e 2.015 quilos. Casos como o dela são tratados na UTI Neonatal e Pediátrica do HUSD, que conta com estrutura completa para o atendimento e acompanhamento dos recém-nascidos, especialmente bebês de extremo baixo peso.

“Parabenizo a equipe de pediatras pela sua capacidade. Tivemos êxito com várias crianças abaixo do peso, inclusive com menos de um quilo, após duras batalhas e um tratamento de excelência. Isso se deve graças ao trabalho desses profissionais, da estrutura disponibilizada e da equipe de Enfermagem altamente treinada e especializada”, reforçou o presidente da Unimed Catanduva e HUSD, o oftalmologista José Renato Pizarro.

Em tais situações, diz ele, o hospital dispõe de equipamentos de última geração, equipe de plantonistas, além da experiência de profissionais qualificados e dedicados. “A segurança do serviço prestado é certificada pelo próprio paciente, como é o caso da Helena”.

Para o tratamento mais humanizado, são acrescentadas técnicas mundialmente conhecidas e que contribuem para a recuperação do paciente, a exemplo da técnica do ninho que, pelo seu formato oval, lembra o útero materno.

ESFORÇO RECOMPENSADO

Os pais de Helena moram em Andradina, a 296 quilômetros de Catanduva. O esforço que fizeram para visitar e ficarem próximos à filha foi recompensado. “Depois de algumas intercorrências em razão de ser um bebê prematuro, Helena pode finalmente ir para casa, em boas condições, seguindo um acompanhamento ambulatorial”, disse o pediatra e intensivista José Marcondes Netto, responsável pelo setor.

“É um dia muito feliz e que desejamos bastante; a Helena foi muito esperada. Passa um filme na cabeça sobre tudo o que vivemos até aqui. Nós duas fomos guerreiras e, hoje, podemos comemorar juntas”, disse Milena, que ficou internada no HUSD por 40 dias em razão da Covid-19.

O pai de Helena, Anderson Vilela dos Santos, é profissional da saúde e atua há 10 anos na área de cuidados intensivos; por isso, entendeu os desafios que mulher e filha tiveram de enfrentar.

“Pedimos muito a Deus a volta da nossa filha para os nossos braços. Agradecemos a toda a equipe médica e de enfermagem do hospital”, disse.

INTERCÂMBIO

Assim como a família de Helena, o Hospital Unimed São Domingos recebe muitos usuários de outras regiões. Esse público corresponde a uma média de 20% a 25% do fluxo de atendimento da unidade, que são os pacientes de Intercâmbio. Essa procura e reconhecimento, segundo Pizarro, são resultado da qualidade do serviço prestado no HUSD.

“Com todos os setores muito bem equipados e investimentos constantes, sempre pensando na satisfação de seus usuários”, frisa.