• Daniele Jammal

Prefeitura vai desembolsar mais R$ 5,8 milhões para quitar contribuições patronais do dissídio

Valores são devidos ao Instituto de Previdência dos Municipiários de Catanduva (IPMC) e serão parcelados em 36 meses




Guilherme Gandini

Editor-Chefe


Depois de pagar os valores devidos aos servidores municipais referentes ao dissídio de 2015, na ordem de R$ 29,3 milhões, a Prefeitura de Catanduva ainda precisará desembolsar mais de R$ 5,8 milhões para quitar contribuições patronais.


Os valores são devidos ao Instituto de Previdência dos Municipiários de Catanduva (IPMC) e serão parcelados em 36 meses. A esse montante ainda serão somados juros de 0,5% ao mês e correção monetária pelo IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.


De acordo com o diretor superintendente do IPMC, Edson Andrella, o parcelamento foi autorizado pela Câmara de Vereadores pela lei municipal nº 6.184, de 2 de julho de 2021.


“Isso tudo já está autorizado pelos conselheiros aqui da autarquia. É um parcelamento que não causa nenhum dano ao IPMC, uma vez que as parcelas vão ser pagas com correção monetária e juros, o que corresponde à meta que o IPMC deve perseguir para os seus investimentos”, explicou Andrella.


As dívidas do dissídio deixadas pelo ex-prefeito Geraldo Vinholi, em 2015, ainda englobaram outros R$ 5,2 milhões pagos no início deste ano, referentes ao pagamento da diferença do cartão alimentação dos servidores.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo