• Daniele Jammal

PENEIRA FINA – 31/08/2021

COLUNA – TERÇA-FEIRA

DEZ PROJETOS

Hoje na Câmara Municipal, a partir das 17h30, tem mais uma sessão ordinária, a 27ª do ano. Na ordem do dia, os vereadores tem dez projetos de lei em primeira discussão e as contas municipais de 2018 para analisarem e votarem. O expediente será de 30 minutos devido a análise do processo do Tribunal de Contas.


RAPIDEZ

Quando citamos que os dez projetos de lei estão na pauta em primeira discussão, lembramos que nada impede de algum nobre edil solicitar uma extraordinária para votar em segunda discussão, os projetos que podem ser aprovados em primeira. Tudo na base do zás-trás...


CONTAS EM ANÁLISE

Volta hoje ao plenário para ser analisado e em votação única, o Processo nº TC-004619.989.18-9, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, referente à Prestação de Contas de 2018, da gestão do ex-prefeito Afonso Macchione Neto. Na última sessão, a vereadora Taise Braz (PT) solicitou pedido de vistas pela presente sessão. Ela que é relatora da Comissão de Finanças, pediu “para aprimorar o parecer.” Mas a pergunta que fica no ar: será que hoje as contas de 2018 do ex-prefeito Macchione serão acatadas ou reprovadas???


DIA DO SAMBA

Entre os projetos para serem discutidos e aprovados na sessão de hoje, está o de nº 111/2021, de autoria do vereador Maurício Gouvea (PSDB), para instituir na cidade o Dia do Samba, na data de 02 de dezembro. Em sua exposição de motivos, o edil destaca que a data já é lei nas cidades do Rio de Janeiro, Santos e Salvador e marca o encerramento do I Congresso Nacional do Samba, realizado no Rio de Janeiro em 1963. Gouvea finaliza a justificativa citando “como diria Dorival Caymmi, ‘quem não gosta de samba, bom sujeito não é’.”


SAMBANDO

Na verdade, o catanduvense já está “sambando” para sobreviver no dia a dia faz tempo, e mesmo sem ter Carnaval há tempos. Agora falta instituir o Dia do Tango, o Dia do Forró e por aí vai...


PIPÓDROMO

Outro projeto de lei que pode ser considerado “diferente” é o de nº 112/2021, apresentado pelo edil Carlos Alexandre, o Gordo do Restaurante (PSDB): institui no calendário oficial de eventos do município, o Festival de Pipas e Papagaios de Catanduva e cria o “Pipódromo”. Pelo projeto de lei, a organização do festival será realizada pela Secretaria da Cultura e Guarda Civil Municipal e deverá ser anualmente comemorado nos meses de junho, julho, agosto e setembro. Caramba, será que precisa de tantos meses assim para comemorar? Um mês só não basta?


DANDO LINHA

Segundo o vereador Gordo do Restaurante, seria “oportuno dispor ao público amante das pipas, um local apropriado para soltar pipas, proporcionar lazer, cultura, socialização e educação quanto as regras de segurança e responsabilidade de soltar pipas”. Agora resta saber se os vereadores vão dar linha no projeto....


CASA DA CAPOEIRA

E os nobres edis estão inspirados. O presidente da Câmara, vereador Gleison Begalli (PDT), foi o autor do projeto de lei nº 115, que vai ao plenário para discussão e votação, onde cria no município a Casa da Capoeira, destinada a conservar, catalogar, estudar, expor materiais históricos, artísticos, fotográficos, gastronômicos e qualquer forma de expressão que contribua para a preservação, divulgação e valorização da capoeira. A instalação da Casa, segundo o P.L., será em local vinculado a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Turismo ou a Secretaria Municipal de Cultura.


CAPOERISTA

Em 1985, a lei estadual nº 4.649, instituiu o dia 03 de agosto como Dia Estadual do Capoerista. No entanto, em nível nacional, ainda não existe uma lei que oficialize a data comemorativa. A capoeira é reconhecida como um patrimônio cultural imaterial brasileiro, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão vinculado ao Ministério da Cultura.


ESPORTE ESPETACULAR

No último domingo, o programa matinal Esporte Espetacular exibiu uma matéria sobre a quarta divisão do futebol paulista, a famosa “Bezinha”, mostrando os times do interior e o Catanduva Futebol Clube foi citado, mostrando o apelido do time (Santo) e entrevista com o presidente do clube, o prefeito padre Osvaldo (PSDB). Na matéria, foi citado que o padre não gosta que os jogadores do time falem palavrão....


FAIR PLAY

Agora imagina a cena: o adversário dá uma entrada dura no jogador do Catanduva e o mesmo responde: “caramba, meu irmão, não faça mais isso. Olha que Deus castiga, hein.” Uma reclamação sem palavrão.


A FRASE

“Não adianta se alimentar bem e praticar exercícios físicos, se você for pessimista com a vida e mal educado com as pessoas. Saúde também é o doce viver e a alegria de ser feliz.” (Autor desconhecido)

10 visualizações0 comentário