• Daniele Jammal

O que é o sopro no coração?




O sopro no coração acontece quando o sangue precisa passar por um orifício que está menor do que deveria. Assim, como se enfrentasse maior dificuldade para fazer a travessia, a passagem do sangue acaba por emitir o som. Então, o sopro cardíaco trata-se de um sinal do peito de que algo pode não estar no seu perfeito estado de funcionamento. Há dois tipos de sopro: o funcional ou fisiológico, que é chamado também de sopro inocente, e o sopro patológico, que pode ser resultado de problemas no coração, como alterações nas valvas cardíacas.

Sopro Funcional ou Fisiológico – Neste caso, o sopro no coração não representa nenhuma outra alteração, não está relacionado com patologias e não necessita de tratamento. Ele ocorre em razão de um fluxo turbilhonar – mais agitado – do sangue pelo coração mas sem significar, no entanto, alteração física no órgão. Esse tipo de sopro cardíaco pode ser efeito de alguma doença sem relação com questões cardíacas, tais como a febre e anemias, ou até mesmo surgir após a prática de uma atividade física. Os sopros considerados inocentes são comuns em crianças e estima-se que de 50 a 70% delas apresentam esse tipo de sopro na idade escolar – sem que haja qualquer comprometimento no desenvolvimento saudável dos pequenos sopros .

Sopros Patológicos – Mais raros, porém exigem uma atenção maior, pois são sinais de problemas no coração, como alterações nas válvulas cardíacas (estenose aórtica ou insuficiência valvular). Por isso, é importante ficar atento ao alerta passado pelo ruído e somente um diagnóstico médico será capaz de identificar o tipo de sopro e seus desdobramentos. Os sopros patológicos podem ser também resquícios de complicações de doenças como a febre reumática – uma doença infla atória autoimune que afeta as articulações – e as miocardites – inflamação do músculo miocárdio do coração.

Quais as causas do sopro no coração O sopro no coração funcional acontece quando o fluxo sanguíneo passa mais rapidamente pelo coração. Assim, ele pode acontecer quando se pratica exercícios físicos ou quando se tem febre. Nestes casos, o sopro some naturalmente. Já no caso do sopro patológico, as causas podem estar relacionadas ao mal funcionamento de uma válvula cardíaca degenerada, quando o orifício de passagem está reduzido ou quando existe a dificuldade de se fechar. Aqui, é preciso que o médico cardiologista faça a avaliação correta e o diagnóstico para que possa identificar a origem do ruído. Outras causas para o sopro considerado anormal são infecções e condições que comprometem as estruturas do coração. Entre elas, podemos citar a endocardite. No caso de bebês e crianças, o sopro patológico, na maioria dos casos, é gerado por alguma questão cardíaca congênita que pode vir a comprometer a formação do coração durante seu desenvolvimento.

Quais os sintomas do sopro no coração? • falta de ar • tosse crônica • veias do pescoço aumentadas • falta de apetite • tontura • pele azulada • dor no peito • transpiração intensa mesmo sem esforço algum. • Quais os fatores de risco para sopro no coração? • História familiar doenças cardíacas • Uso de determinados medicamentos, álcool ou drogas na gestação; • Doenças durante a gestação • Hipertensão • Histórico de febre reumática • Radioterapia próxima do peito • Endocardite anterior • Infarto anterior • Hipertensão pulmonar • Músculo do coração fraco

Como é feito o diagnóstico do sopro no coração? O diagnóstico do sopro no coração deve ser feito por um médico cardiologista, durante o exame clínico, e também por meio de exames de imagens complementares, como eletrocardiograma, raios X de tórax e ecocardiograma. Então, ao se dar conta de algum dos sintomas citados acima ou fatores de risco, é fundamental procurar pela orientação médica para um diagnóstico correto e seguro.

Como é o tratamento para sopro no coração? No caso do sopro fisiológico, o coração é absolutamente normal e, como citamos, o ruído pode sumir naturalmente Assim, é possível viver a vida sem restrições. Já nas situações em que o sopro é patológico, dependendo da gravidade, o tratamento pode ser feito por meio da administração de medicamentos e também por cirurgia. Mas o caminho que será seguido para tratar do sopro no coração deverá ser definido pelo médico cardiologista responsável, em conjunto com o paciente. Por fim, vale lembrar sempre que os problemas cardíacos, em sua maioria, podem ser evitados ou amenizados quando se adota um estilo de vida mais saudável, que inclua a prática regular de atividades físicas, uma dieta equilibrada, mais prazer e menos estresse, certo?


Max Lima Médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194.


ARTIGOS ASSINADOS NÃO REFLETEM A OPINIÃO DO JORNAL O REGIONAL

0 visualização0 comentário