• Daniele Jammal

CINEMA EM FOCO - Felipe Brida

No Prime - Val

Documentário sobre o ator Val Kilmer, do início da carreira nos anos 80 até os dias atuais, em que enfrenta um duro tratamento contra o câncer, que o fez perder a voz.

Nesse documentário revelador produzido pela A24, com distribuição mundial pela Amazon Prime Video, conhecemos a vida e a carreira do ator Val Kilmer, que foi astro nos anos 90 e hoje se encontra debilitado devido a um terrível câncer de garganta que o fez perder a voz – ele está irreconhecível aos 61 anos, utiliza um aparelho de inteligência artificial para falar, além de sonda para se alimentar.


Traz um vasto material de arquivo, com vídeos caseiros de Kilmer quando criança e momentos de juventude em família, além de trechos de filmes do ator e registros de bastidores/making of, como dos longas 'The Doors', 'Tombstone: A justiça está chegando', 'Batman eternamente', 'Fogo contra fogo' e 'A ilha do Dr. Moreau'.

O filme surpreende ao mostrar como Kilmer encontra-se atualmente (confesso que fiquei impressionado com sua aparência), devido ao exaustivo tratamento de quimio e radioterapia.


Ele revelou a doença em 2016, e na première do documentário, no início desse mês em Los Angeles, seus dois filhos informaram à imprensa que o pai ainda está sob tratamento médico.


Os astros e estrelas de cinema não são eternos, um dia envelhecem, outros morrem cedo, e têm aqueles que são acometidos por enfermidades, como qualquer pessoa. Que o ator se recupere e retorne em breve à cena!

Val (Idem). EUA, 2021, 109 minutos. Documentário. Colorido/Preto-e-branco. Dirigido por Ting Poo e Leo Scott. Distribuição: Amazon Prime Video

Cine Brasil

4x100: Correndo por um sonho

Duas atletas, após fracassarem nas Olimpíadas do Rio em 2016, preparam-se arduamente para os jogos de Tóquio com a meta de reerguer a carreira.

As atrizes Thalita Carauta e Fernanda de Freitas engrandecem esse drama sobre competições esportivas que acaba de entrar no catálogo do Telecine, dois meses depois de estrear nos cinemas (tem como produtora a Globo Filmes com a Gullane e distribuição da Imovision).


Elas interpretam duas mulheres dando duro para reerguer a carreira no Atletismo após um fiasco nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Ao serem derrotadas no revezamento 4x100 e consequentemente perderem a chance de ganhar medalhas de ouro, um efeito catastrófico se abate sobre suas vidas.


Os anos se passam, e elas tem a chance de uma nova etapa no mundo do esporte. Mas precisarão abandonam a rivalidade para conseguir espaço nas Olimpíadas de Tóquio, e quem sabe reviver os tempos áureos de quando eram verdadeiras estrelas na mídia.


É raro vermos filmes sobre atletismo feminino (confesso que nunca havia assistido um feito no Brasil), e esse é um exemplar modesto, bem realizado e com qualidade de roteiro e trabalho técnico.


Não é apenas sobre esporte, competição, determinação, há subtramas sobre preconceito e a mídia no Brasil, sendo um bom entretenimento para quem está à procura de cinema brasileiro.


É o melhor trabalho do diretor de 'Operações especiais' (2015) e 'Desculpe o transtorno' (2016), Tomas Portella, que reuniu um elenco adequado em papéis sinceros, como o de Augusto Madeira (o treinador), além das duas atrizes já mencionadas.


Esqueça o título genérico e nada chamativo, e assista, pois é um dos bons feitos do cinema brasileiro de 2021, e que anteciparia a participação do país nas Olímpiadas de Tóquio.

4x100: Correndo por um sonho (Idem). Brasil, 2021, 91 minutos. Drama. Colorido. Dirigido por Tomas Portella. Distribuição: Imovision


*Felipe Brida é jornalista e crítico de cinema.

1 visualização0 comentário