• Daniele Jammal

NA CAPITAL: Viagens semanais de Padre Osvaldo incluem futebol, basquete e pombos


Prefeito diz ter conquistado R$ 81,9 milhões, mas não soube apontar valor recebido


Guilherme Gandini

Editor-Chefe


O prefeito Padre Osvaldo (PSDB) mantém rotina semanal de viagens à capital paulista, desde o início de seu mandato. De acordo com levantamento feito pela reportagem de O Regional no Portal da Transparência, foram pelo menos 20 no primeiro semestre: três em janeiro, quatro em fevereiro, duas em março, três em abril, quatro em maio e quatro em junho.


Metade dos compromissos foram para visitas ao secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, presidente do PSDB, padrinho político de Osvaldo e apoiador de sua campanha a prefeito. Neste início de julho, mais um encontro entre eles já aconteceu.


De acordo com as notas de empenhos disponíveis no site da Prefeitura, além das audiências com Vinholi, o prefeito participou de lançamento de programas do Estado, visitou secretarias e a Assembleia Legislativa, assinou convênios e recebeu ônibus escolares.


Porém, a jornada na capital paulista também incluiu o papel de espectador na estreia do Bax Catanduva na Liga de Basquete Feminino, em 8 de abril, reunião na Federação Paulista de Futebol, em 19 de maio, visita a uma empresa de games em 28 de maio, e conjecturas sobre nova tecnologia para espantar pombos, em 29 de junho.


Em entrevista exclusiva ao Jornal O Regional, Osvaldo defendeu a estratégia. “Agendo várias reuniões com as secretarias, empresas, no Palácio (dos Bandeirantes), e participei de vários lançamentos de programas. Nessas reuniões, mesmo não indo a Brasília, como os deputados federais estão mais à distância, não estão indo de forma direta a Brasília neste período da pandemia, então é mais fácil encontrá-los nos escritórios em São Paulo do que em Brasília. Assim, tanto recursos do Estado quanto do Governo Federal a gente buscou em São Paulo.”


As visitas à capital, segundo o prefeito, resultaram em emendas de deputados, liberações de recursos estaduais e convênios para revitalização das vicinais que já somam R$ 81,9 milhões.


Questionado, o prefeito não soube apontar, entretanto, quais recursos já foram depositados na conta da Prefeitura. “Esses recursos já foram aprovados e estão em trâmite na questão da liberação. Alguns recursos já vieram, mas são poucos recursos, já chegaram, o restante está sendo tramitado. A gente acredita que este ano todos os recursos serão liberados”, arriscou, acrescentando que do montante global, cerca de R$ 51 milhões serão destinados ao recape das estradas da região, com contratação e execução pelo próprio Estado.


Com relação à proximidade com Vinholi, Padre Osvaldo reconheceu que a ligação entre eles poderia causar resistência e perdas de votos durante a campanha eleitoral, mas que isso – em sua visão – seria algo positivo após a eleição.


Metade dos compromissos foram para visitas ao secretário Marco Vinholi

“Primeiro pelo partido, segundo pelo vínculo que o secretário Marco Vinholi tem com Catanduva e terceiro também pelo vínculo afetivo, a amizade, isso tem facilitado. Hoje, em São Paulo, todos os recursos, as emendas, mesmo as impositivas, passam pela liberação do Marco Vinholi. Ele atende os 645 prefeitos e entre os prefeitos, Catanduva tem uma porta de entrada maior, vamos dizer assim.”


Já sobre os compromissos criticados e considerados fora de contexto por munícipes nas redes sociais, como as questões envolvendo futebol e a busca por uma tecnologia para afastar pombos – este último, feito no último dia de lockdown em Catanduva, o prefeito afirmou que “as pessoas analisam a partir de sua visão”, sem a noção do todo.


“Estive em São Paulo no último dia de lockdown aqui em Catanduva porque foi lançado um programa do Governo do Estado de auxílio para famílias vítimas da Covid. Aqui são 49 famílias que foram contempladas e vão receber R$ 300 por seis meses. Aquele dia também passei em Santana do Parnaíba, com o deputado Cezar (PSDB), e eles fizeram um trabalho lá com uma tecnologia estrangeira de afugentar os pombos. Eu fui lá conhecer”, justificou.


DESPESAS

De acordo com registros do Portal da Transparência, as despesas das 20 viagens a São Paulo foram de cerca de R$ 10 mil para alimentação e hospedagens. Em estimativa, os gastos devem dobrar se contabilizado o combustível para ida e volta – lançado em cartão específico para essa finalidade. Pelo sistema, não é possível visualizar as notas fiscais das prestações de contas, mas o gasto mais elevado foi de R$ 1.472,10 na viagem de 10 e 11 de maio, quando o prefeito e o gerenciador de Habitação, Victor Daltin, cumpriram agenda na capital.



Foto: O REGIONAL - Sobre os compromissos criticados e considerados fora de contexto por munícipes nas redes sociais, prefeito afirmou que “as pessoas analisam a partir de sua visão”, sem a noção do todo

388 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo