• Daniele Jammal

LOCAÇÃO SOB SUSPEITA Prefeitura abandona carros próprios para pagar aluguel de R$ 14 milhões



Há 44 veículos, recebidos em doação do governo federal em 2013, para o uso dos Conselhos Tutelares da capital paulista. Apesar de estarem com a manutenção em dia e em boas condições de uso, os carros, do modelo Fiat Palio Weekend, estão parados na garagem e desde agosto de 2019 deixaram de rodar depois que a Prefeitura de São Paulo fechou contratos de locação.


A operação, em dois anos, já custou quatro vezes o valor de mercado dos automóveis atualmente alugados. Não há, até o momento, qualquer informação sobre leilão do patrimônio ‘encostado’ para eventual substituição da frota.


De acordo com funcionários dos conselhos tutelares, que por medo de represálias solicitaram o anonimato, os 63 carros alugados, em agosto de 2019, com a CS Brasil Transporte de Passageiros e Serviços Ambientais Ltda, são do subcompacto Mobi, da Fiat, e não atendem à demanda diária do órgão, ao contrário dos veículos doados, do tipo ‘perua’, com porta-malas avantajado e amplo espaço interno.


Um segundo contrato, com a mesma locadora, em julho de 2020, foram alugados outros 63 veículos do modelo Voyage 1.0, quatro portas, da Volkswagen. O contrato, com validade de 15 meses, vence em outubro deste ano.


Se ao invés de locar, o município comprasse os 63 veículos, o custo seria de R$ 3,1 milhões, o correspondente a 42% do valor total contratado, levando-se o preço individual de venda de R$ 50 mil, conforme tabela Fipe.


A Prefeitura de São Paulo, em nota, informou que no contrato de locação estão incluídos motorista, combustível, seguro e manutenção e que "é fundamental observar que a frota de carros doados foi feita quando havia apenas 44 conselhos na cidade e, atualmente, não é o suficiente para dar conta de toda a estrutura das 52 unidades da capital".


Da Reportagem

0 visualização0 comentário