• Daniele Jammal

JULHO VERDE: Câncer de cabeça e pescoço mata 10 mil por ano



A campanha Julho Verde, lançada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), chama a atenção para a prevenção do câncer de cabeça e pescoço, responsável por cerca de 10 mil mortes a cada ano no país.


Especialistas e entidades médicas querem conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce. "Isso é o mais urgente, principalmente porque o medo do novo coronavírus levou muitas pessoas a parar de fazer a prevenção", explicou o médico Bruno Albuquerque, da Seção de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) e do Hospital Central da Aeronáutica.


O câncer de cabeça e pescoço é o quinto mais incidente no Brasil tanto em homens quanto em mulheres. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é o nono tipo de câncer mais comum no mundo.


O Inca estima que, no total, devem ser diagnosticados 685 mil novos casos de câncer no Brasil no triênio 2020-2022, incluindo todas as áreas da doença. Albuquerque afirmou que cânceres de cabeça e pescoço representam 8% e 10% do total, e abrangem a cavidade oral: língua e boca, laringe, faringe, seios paranasais, cavidade nasal, glândulas salivares, ossos da face, tireoide e pele.


O principal tipo de câncer nos homens é o de boca e, nas mulheres, o de tireoide. Para o câncer de boca, o principal é evitar tabagismo (fumo) e etilismo (álcool). Somados, os fatores aumentam em mais de 30 vezes a chance de ter câncer na cavidade oral.


“A melhor forma de evitar é eliminar o tabagismo e o etilismo e manter uma boa higiene na cavidade oral, evitando também a desnutrição, que é um dos fatores que podem desencadear mutações genéticas e desenvolver o câncer nessa região.”


Outra recomendação é evitar o uso de próteses dentárias mal adaptadas, que causam trauma crônico na região da boca e podem ter uma cicatrização viciosa. “Também podem ser fator de risco.”


O médico comentou que, devido ao retardo no diagnóstico por desconhecimento da população, 70% dos pacientes já são diagnosticados em estado avançado e, por isso, os médicos não conseguem agregar nenhum tipo de tratamento curativo.


Segundo Albuquerque, qualquer lesão na boca e na garganta que dure mais de três semanas merece uma investigação por parte do profissional que trata de saúde bucal. O mesmo ocorre em relação ao surgimento de qualquer caroço no pescoço, que também dure mais de três semanas.


Albuquerque assegurou que é um mito que o uso de enxaguantes bucais provoque câncer de boca e garganta.


Em relação a cirurgias de retirada da laringe, segundo o médico, o risco de a pessoa não voltar a falar vai depender da localização e da fase de envolvimento do tumor.


Da Reportagem com informações da Agência Brasil

0 visualização0 comentário