• Daniele Jammal

Dia do Voluntariado: prática tem aumento significativo no último ano

Atividade cresceu apesar das dificuldades impostas pela pandemia

Foto: DIVULGAÇÃO - Voluntários do Bem, de Catanduva, desenvolvem ações em prol do HCC


Guilherme Gandini

Editor-Chefe

O Dia Nacional do Voluntariado, celebrado neste sábado, dia 28 de agosto, foi instituído em 1985 pelo ex-presidente da República José Sarney, por meio da Lei nº 7.352, e visa homenagear aqueles que dedicam parte do seu tempo e conhecimento em prol dos mais necessitados em ações não remuneradas, bem como incentivar mais pessoas a abraçarem a prática.

“Voluntariado é um ato de amor, é fazer o bem sempre, sem olhar, sem julgamentos, é olhar para o outro com compaixão, é amar sem querer nada em troca, é doar o que você de mais precioso que é o seu tempo. Eu sempre falo isso para os voluntários. O mais difícil hoje é doar o tempo. Quantas pessoas deixam seus afazeres, seus serviços, tudo e para um tempo para olhar o outro”, ressalta Luciana Vargas, coordenadora do grupo Voluntários do Bem, de Catanduva.

O trabalho desses agentes de transformação tornou-se imprescindível na pandemia. Atuar neste período conturbado tem sido algo desafiador, pois o voluntariado também teve que migrar para o online, apesar de muitas demandas das organizações serem presenciais.

A captação de recursos sentiu os impactos negativos da Covid-19, uma vez que os eventos presenciais foram interrompidos.


“As organizações precisaram criar mecanismos de engajamento online, como eventos e corridas virtuais, deliveries, visitas virtuais, entre outros”, comenta João Paulo Vergueiro, conselheiro do Conselho Regional de Administração de São Paulo.

Acompanhando o crescimento no número de necessitados, estudos apontam que também houve aumento significativo de pessoas dispostas a ajudar. Segundo a pesquisa desenvolvida pelo World Giving Index 2021 (WGI), feita pela Charities Aid Foundation (CAF), o Brasil subiu 14 posições, em relação aos dados de 2018, no Ranking Global de Solidariedade em 2020, ficando em 54º lugar numa lista de 114 nações, que representam mais de 90% da população adulta global.

Ainda de acordo com a pesquisa, o Brasil registrou participação de 63% na ajuda a estranhos, ficando em 36º do ranking; 26% na doação de dinheiro, ficando em 70º lugar; e apenas 15% no escore de voluntariado, ficando em 68º, com média geral de 35%.

Vergueiro, que também atua como diretor-executivo da Associação Brasileira de Captadores de Recursos – ABCR, afirma que há vários benefícios em praticar o voluntariado.


“Individualmente, nos sentimos mais realizados ao saber que estamos impactando positivamente a vida das pessoas, além de, muitas vezes, até aprendermos um pouco mais. E, para a organização, contribuímos para que ela transforme ainda mais a vida das pessoas”.

Para quem deseja ser voluntário, mas não sabe por onde começar, o administrador dá dicas importantes.


“Não deixe de pesquisar a organização que você se interessou. Veja se ela tem relatório de atividades no seu site, se divulga o nome das pessoas que lideram e se é transparente”, conclui o conselheiro do CRA-SP.


12 visualizações0 comentário