• Daniele Jammal

Comitê Alimentação Forte decide se desvincular da ACE e alçar ‘voo solo’

Grupo de empresários agradeceu parceria, mas diz buscar independência

Foto: DIVULGAÇÃO - Grupo de empresários do setor de alimentação planeja formar associação


Guilherme Gandini

Editor-Chefe

O Comitê Alimentação Forte, composto por empresários do setor, decidiu desligar-se da Associação Comercial e Empresarial (ACE) e se lançar em “voo solo, explorando novas altitudes”.


A decisão foi manifestada em nota divulgada à imprensa, entrelaçando agradecimentos à ACE e expectativas de futuro. A associação, entretanto, manifestou surpresa e lamentou o fato.

“O comitê foi criado dentro da ACE, estava trabalhando ativamente, conseguimos empresas parceiras para comprar mercadorias em conjunto com preços mais acessíveis, levamos também esses empresários para falar com a indústria de bebidas, consultoria de energia elétrica, jurídica, tributária, foram várias reuniões. Para nossa surpresa, nós recebemos uma nota dizendo que o grupo estaria saindo do Comitê”, comentou o presidente Marcos Escobar.

Segundo o economista, ele teria proposto uma reunião, mas não teve resposta. “A única resposta foi via whatsapp, enfim, ficamos bastante surpresos e ficou uma situação um pouco triste pra gente, levamos o nome da ACE, trabalhamos e realmente não fomos nem chamados para ver o que aconteceu para apurarmos as arestas. Que fique claro que a ACE continua incentivando a união dos empresários, dos comerciantes, do empreendedor, e o Comitê de Alimentação vai continuar dentro da ACE como ferramenta de desenvolvimento”.

Em contato com a reportagem, o vice-presidente do Comitê Alimentação Forte, Gustavo Pena, relembrou que o grupo já existe há 8 ou 10 anos e que chegou a se reunir com candidatos a prefeitos, nas duas últimas eleições, para avaliar os programas de governo. Ele também frisa que, na ACE, os empresários tinham uma sala e apoio, mas pagavam as mensalidades.

“Nós já tínhamos essa união dessas pessoas do nosso segmento, fizemos uma passeata, fomos ouvidos pelo prefeito, eu particularmente fui duas vezes na tribuna da Câmara. Precisávamos da ACE pra ter um endereço, um local para as reuniões, a gente virou uma célula lá dentro. Com o tempo passando, resolvemos sair, para ser mais independente, poder comprar de quem quiser, firmar parcerias com quem a gente achar melhor. E foi isso que a gente fez”, afirmou.

O empresário diz que todo o segmento sofreu muito durante a pandemia, mas que, agora, querem seguir em frente. Uma das ideias em estudo seria formar uma associação. “Temos um grupo unido, que está procurando se aprimorar e se aperfeiçoar para melhorar o atendimento na cidade e as condições para os funcionários. Nossa ideia sempre foi fortalecer o segmento, se fortalecer, se conhecer melhor e crescer.”

187 visualizações0 comentário