• Daniele Jammal

Índios da aldeia Bacururu comercializam ervas e plantas medicinais em Catanduva

Vendas desses itens têm sido a principal fonte de renda dos indígenas

Foto: O REGIONAL - Tenda exibe acessórios indígenas que são apreciados por sua diversidade de cores


Myllaynne Lima

Da Reportagem Local


Quem passou pela Praça da República se deparou com índios acampados próximo à Pérgola divulgando o poder medicinal das ervas e raízes. Proveniente da aldeia Bacururu, do Mato Grosso do Sul, há 23 anos Caíque Terena espalha a cultura indígena para todo o país.


Segundo ela, as ervas e plantas totalmente naturais são utilizadas no tratamento de reumatismo, diabetes, dores musculares, insônia, estresse, cólicas, dores de cabeça, infertilidade e até mesmo impotência sexual. A indígena garante que a cura para essas doenças é encontrada através das plantas comercializadas por eles.


De acordo com Caíque Terena, a comercialização das plantas é uma forma de não acabar com a cultura indígena no país. “O objetivo é mostrar como o índio nasce, cresce e envelhece utilizando as plantas naturais”, explica.


Atualmente a comercialização desses itens tem sido a principal fonte de renda da aldeia Bacururu.


Além do tratamento de doenças, os índios também comercializam produtos e temperos diet, tais como sucupira, emburana, catuaba, canela, canela de velho, cravo, camomila, noz moscada, linhaça e sucupira mirá.


Na tenda, eles também ostentam sua história através dos acessórios indígenas que são apreciados por sua diversidade de cores, tamanho, formas, qualidade de brilho e durabilidade.


36 visualizações0 comentário