Vizinhos de cervejaria do Centro reclamam de barulho excessivo na madrugada

GCM teria multado veículos estacionamentos no entorno do local no sábado

Vizinhos de cervejaria do Centro reclamam de barulho excessivo na madrugada

Foto: O REGIONAL - Público ocuparia área interna da residência anexa ao ponto comercial, segundo denunciante; barulho incomoda vizinhança

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

A atividade noturna de uma cervejaria localizada na área central de Catanduva tem causado transtornos aos moradores da vizinhança. A reportagem de O Regional teve acesso a dois vídeos gravados na madrugada, nos últimos finais de semana, que mostram grande movimento de pessoas nas calçadas e em área interna. Pelos relatos, o barulho é o principal problema.

De acordo com uma das moradoras do local, que preferiu não se identificar, o estabelecimento registra grande público de quinta-feira a domingo, e espalha mesas pelas calçadas. Contudo, a partir de determinado horário, ao invés de suspender a atividade, mantém o público em área interna, sem que isso consiga reduzir o efeito sonoro, já que o espaço fica a céu aberto.

Segundo ela, vários vizinhos estão sofrendo com o problema, sem conseguir dormir. “São muitos idosos nas proximidades, que têm receio e não sabem como denunciar. Tenho mãe idosa e meu marido trabalha 16 horas por dia, somos cidadãos que só querem descansar depois de um dia cansativo de trabalho”, argumenta, completando que já efetuou denúncias às autoridades.

No sábado, após chamado telefônico, equipe da Guarda Civil Municipal (GCM) esteve no local e teria autuado veículos estacionados irregularmente no entorno, inclusive fechando vias de acesso. A denunciante foi orientada a acionar a GCM em casos de perturbação de sossego.

SÓ PIT STOP

O proprietário do estabelecimento, um serv-festas e pit stop de cervejas, afirmou à reportagem estar respeitando a vizinhança e pedindo que os clientes apenas comprem e levem os produtos após as 22 horas, quando retira as mesas e inicia os acertos, a fim de evitar aglomeração. Depois desse horário, passa a atender apenas no pit stop, e pede que os clientes evitem som alto.

A respeito do vídeo que mostra as pessoas no interior do imóvel, ele assegura que se tratava de uma festa de aniversário.

“No final de semana passada a PM esteve aqui, eu já estava fechado e não tinha ninguém. Nesse final de semana a GCM esteve aqui e como estava vendendo no Pit stop eles viram que não tinha aglomeração e nem barulho”. Ele afirma não ter sido autuado.

FISCALIZAÇÃO

A reportagem do Jornal O Regional questionou a Prefeitura de Catanduva se o estabelecimento já foi alvo de fiscalização pela GCM ou Vigilância Sanitária. Não houve retorno até o fechamento desta edição.