STU confirma estudos do transporte coletivo e diz que modelo de Urupês não se adequa

Cidade vizinha adotou sistema municipalizado com micro-ônibus e tarifa a R$ 2

STU confirma estudos do transporte coletivo e diz que modelo de Urupês não se adequa

Foto: PREFEITURA DE URUPÊS - Ônibus circulam em fase de testes com seis horários por dia em Urupês

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 19/11/2021

O serviço de transporte coletivo municipal começou a operar em Urupês, região de Catanduva, na terça-feira, 16. São três linhas atendidas por micro-ônibus que percorrem desde centro até os bairros mais afastados da cidade, inclusive o distrito de São João de Itaguaçu.

Em fase de testes, ainda não há cobrança aos usuários. Quando iniciada, a tarifa será de R$ 2. Segundo a Prefeitura, serão isentos os trabalhadores no caminho da casa ao trabalho, idosos, pessoas com deficiência e acompanhantes, além de beneficiários dos programas sociais.

O modelo adotado na cidade vizinha, na avaliação da Secretaria de Trânsito e Transportes Urbanos (STU), não se aplica a Catanduva. O setor compara o porte das duas cidades, o que acaba por elevar o grau de complexidade do sistema de transporte público.

“Em Urupês, alguns ônibus escolares foram municipalizados e eles conseguiram organizar três linhas de ônibus, que funcionam de segunda a sexta em seis horários, conforme estudo de demanda da cidade. Eles estão no início do processo e é uma realidade totalmente diversa do que acontece em Catanduva”, aponta a secretária Maria Cristina Pinheiro Machado Sanches.

Ao Jornal O Regional, a STU confirmou que busca novo modelo para ser adotado no município. “Estamos em contato com alguns especialistas para verificar a possibilidade de estudos mais aprofundados, a fim de adotar novas formas de transporte coletivo na cidade, que sejam economicamente mais viáveis e compatíveis com a demanda”.

Também está prevista uma campanha de incentivo à utilização do transporte coletivo. “Será feita no próximo ano de acordo com as recomendações do setor de saúde, em relação à estabilização da pandemia e maior segurança sanitária”, projeta.

SUBSÍDIO

O repasse de recursos à Auto Viação Suzano, concessionária responsável pelo transporte coletivo em Catanduva, é classificado pela STU como um aporte financeiro adotado durante o período da pandemia e justificado pelo desequilíbrio financeiro da empresa no período.

Questionada quanto já foi encaminhado à transportadora, neste tipo de subsídio temporário, a STU não indicou valores. O setor de Receita da Prefeitura seria o responsável pela informação, mas também não deu retorno até o fechamento desta edição.

Em levantamento feito pelo Jornal O Regional no início de setembro deste ano, o auxílio já havia superado a marcas de R$ 2 milhões, conforme apuração do deficit diário da companhia. Os repasses começaram a ser feitos em abril do ano passado.