Servidores públicos reclamam de insegurança no uso do cartão alimentação da Prefeitura

Segundo relatos dos funcionários, vive-se um suspense a cada compra

Servidores públicos reclamam de insegurança no uso do cartão alimentação da Prefeitura

Foto: ARQUIVO PESSOAL - Professor cobra atitude da Prefeitura para não viver surpresas na hora da compra

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

Servidores públicos municipais estão reclamando do cartão alimentação oferecido pela Prefeitura de Catanduva. Segundo os relatos, vive-se um suspense a cada compra, já que passou a ser comum a negativa dos estabelecimentos locais para o uso da bandeira BK Bank.

De acordo com o professor Eduardo Benetti, que atua na Rede Municipal de Ensino, além dos transtornos na hora da compra, a maior dificuldade é quanto à falta de posicionamento da Prefeitura ou mesmo da empresa contratada.

“A Prefeitura precisaria tomar alguma atitude que realmente respalde o funcionário público e que permita que o mesmo possa fazer suas compras sem surpresas e sem a possível situação vexaminosa de ter o cartão recusado. Carecemos de um pronunciamento oficial, seja nas redes ou por meio do site oficial para esclarecer quais serão as tratativas para troca ou resolução desse problema”, reivindica.

Em postagem feita em sua página pessoal, ele criticou a situação e recebeu apoio de colegas. “Padre Osvaldo, cada vez menos mercados aceitam o cartão alimentação! É necessária uma ação urgente”, desabafou, indicando que mais um estabelecimento, de uma grande rede, passou a negar o cartão dos servidores.

Segundo informações extraoficiais, a dificuldade encontrada pelos comerciantes estaria relacionada à taxa cobrada pela operadora, que seria bem mais elevada do que as demais.

A reportagem do Jornal O Regional cobrou posicionamento da Prefeitura sobre o assunto e questionou quantos locais aceitam o cartão atualmente, se há diálogo com a operadora do cartão a fim de estabilizar a situação, qual o prazo do atual contrato e qual precaução será tomada, na futura licitação, para que o problema não se repita.

Até o fechamento desta edição, não houve resposta.