Sem ações efetivas contra Covid, Prefeitura de Catanduva apenas relembra métodos de prevenção

Até o boletim de casos da doença, que era diário, passou a ser divulgado semanalmente

Sem ações efetivas contra Covid, Prefeitura de Catanduva apenas relembra métodos de prevenção

Foto: O REGIONAL - Pacientes aguardam horas por atendimento na UPA

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 07/01/2022

Apesar do avanço do coronavírus e da Influenza em toda a região e com filas tomando conta da UPA, a Prefeitura de Catanduva não adotou qualquer ação efetiva de enfrentamento. Questionada pelo Jornal O Regional, a administração do prefeito Padre Osvaldo (PSDB) apenas indicou pontos de atendimento e relembrou os métodos de prevenção, como uso de máscara e distanciamento social.

Outra estratégia adotada é o “apagão” de números: a Prefeitura passou a divulgar o Boletim do Coronavírus de forma semanal no dia 23 de dezembro, e não mais diariamente, como ocorria desde o início da pandemia, em 2020. A medida coincidiu justamente com a alta de casos na região.

Indagada sobre aumento da demanda na UPA, a Secretaria Municipal de Saúde estimou aumento de 40% da semana que antecedeu o Natal até os dias atuais – mas não revelou números.

“A Secretaria Municipal de Saúde comunica que houve um aumento considerável na procura por atendimento de pessoas com sintomas gripais em todos os serviços de saúde da rede municipal e com isso tem gerado um tempo maior de espera para o atendimento”, indicou, em nota.

A Secretaria de Saúde afirmou também, ainda sem indicar qualquer índice, que “a maioria dos casos foram classificados como leves até o momento” e que, diante dos sintomas, todos são registrados como suspeita para Covid-19, conforme protocolo do Ministério da Saúde.

“Alertamos que a Pandemia não acabou e estamos tendo casos de síndrome respiratória relacionada a outros vírus respiratórios além da Covid-19”, completou o setor.

Por fim, foram feitas recomendações. “Vale lembrar que o Estado de SP tem registrado um aumento de casos de gripe e por isso precisamos ficar atentos considerando as festas de final de ano. Reforçamos que a população precisa redobrar os cuidados como: Uso de máscara; respeitar o distanciamento social; evitar aglomerações; realizar frequentemente a higienização das mãos.”

Atualmente, os pontos de atendimento para síndrome gripal em Catanduva são todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e a Unidade de Pronto Atendimento - UPA.

AMPLIAÇÃO DA EQUIPE

Ao Jornal O Regional, a Secretaria Municipal de Saúde afirmou ter ampliado a equipe da UPA na tentativa de agilizar o acolhimento e atendimento. A situação vivenciada pelos pacientes no local, entretanto, demonstra que, se houve aumento, não foi suficiente para evitar horas de espera. A unidade registra longas filas desde o Natal, com situação mais grave a partir desta semana.

As reclamações multiplicam-se nas redes sociais. “Vim embora de lá por desistência pela demora no atendimento. A UPA necessita não é de hoje de atendimento digno a quem o utiliza. Funcionários exaustos, poucos médicos, pessoas deitadas nos bancos ou até mesmo no chão fora da unidade. Essa mensagem é para você Prefeito que tem a caneta na mão, faz jus ao que aprendeu no seminário no tocante cuidar de pessoas”, criticou Lucas Ribeiro.

“Meu Deus, tá uma vergonha a UPA, meu filho foi lá 8hrs da manhã era 3hrs da tarde veio embora sem consultar, cadê o prefeito pra ir lá ver aquilo lá, padre tem que rezar missa não ser prefeito”, rebateu Brasilina Nicoletti, em resposta.

A reportagem questionou o Hospital Mahatma Gandhi, gestor da UPA, sobre número de médicos e de equipes que atuavam e passaram a atuar na unidade, mas a instituição afirmou que apenas a Secretaria Municipal de Saúde poderia se manifestar, por motivo de contrato.

REDUÇÃO

A Prefeitura de Catanduva diminuiu serviços e profissionais em atuação na UPA na metade do ano passado, no aditivo feito ao contrato do Hospital Mahatma Gandhi. Na ocasião, foi reduzida a quantidade padrão de atendimentos e médicos plantonistas para reduzir custos.

Para o mês de janeiro, está prevista a redução de valores do outro contrato mantido com a instituição de saúde, referente à supressão de equipes de vacinação contra a Covid. Esse mesmo contrato foi alterado em agosto passado, quando o Centro de Atendimento Covid foi fechado.

REGIÃO

A preocupação com o avanço da Covid-19 e da Influenza levou a Prefeitura de Santa Adélia a ampliar o funcionamento da tenda instalada na praça central para atendimento de pacientes com sintomas gripais. Em Urupês, a Prefeitura estendeu o horário de atendimento das unidades de saúde.

Já a Prefeitura de Rio Preto está montando um Centro de Atendimento Respiratório para atender a demanda crescente de síndromes gripais e casos de Covid. Estão disponíveis 40 mil testes antígenos para serem aplicados nas pessoas que apresentarem sintomas de Covid.