Secretaria de Educação confirma aulas presenciais sem rodízio de alunos em novembro

Nova sistemática começará no dia 3, quando o distanciamento não será mais obrigatório

Secretaria de Educação confirma aulas presenciais sem rodízio de alunos em novembro

Foto: Arquivo O REGIONAL - A secretária municipal de Educação, Cláudia Cosmo, defendeu autonomia do município na definição da data do retorno presencial

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 22/10/2021

A Prefeitura de Catanduva, por meio da Secretaria Municipal de Educação, definiu para o dia 3 de novembro o retorno das aulas presenciais com 100% da capacidade. Segundo o setor, a data foi fixada para não comprometer as atividades do mês da criança.

O atual decreto, quanto às regras de 50% dos alunos em sala, espaçamento de um metro entre as carteiras e revezamento diário, segue até o dia 31 de outubro.

“Como o município tem sistema próprio de educação, possui autonomia para definir o retorno das atividades. Neste mês de outubro, as escolas já organizaram, de forma escalonada, as atividades em comemoração às crianças, por isso, vamos seguir com o cronograma. A partir de 3 de novembro, nós vamos nos adequar a determinação estadual”, explica a secretária de Educação, Cláudia Cosmo.

A declaração da dirigente faz referência à decisão do Governo do Estado em determinar a retomada obrigatória dos estudantes às aulas presenciais para todas as redes a partir de 18 de outubro.

Na primeira etapa, válida até o final de outubro, foram mantidos todos os protocolos sanitários, bem como o distanciamento de 1 metro entre as pessoas – com continuidade do esquema de revezamento planejado por cada escola, de acordo com a capacidade física.

A partir de 3 de novembro, o distanciamento não será mais obrigatório, colocando fim ao revezamento entre os alunos nas aulas presenciais. “Vale ressaltar que todo avanço relacionado ao retorno das atividades presenciais da Secretaria Municipal de Educação, é acompanhado pelos indicadores da Covid-19”, assegura a Prefeitura, em nota.

EXCEÇÕES

De acordo com o Governo do Estado, as exceções à obrigatoriedade serão jovens de grupo de risco com mais de 12 anos que não tenham completado o ciclo vacinal; gestantes e puérperas; crianças menores de 12 anos pertencentes ao grupo de risco, para as quais não há vacina aprovada no país; e estudantes com condição de saúde de maior fragilidade à Covid-19, mesmo com o ciclo vacinal completo, comprovada com prescrição médica para permanecer em atividades remotas.