Residencial Nova Catanduva III vira caso de polícia antes de sair do papel

Orientação do poder público é que os cidadãos não acreditem em eventual abordagem

Residencial Nova Catanduva III vira caso de polícia antes de sair do papel

Foto: REPRODUÇÃO - Coordenador de Habitação diz que empreendimento está em fase de implantação

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

O anúncio da construção do Residencial Nova Catanduva III chamou a atenção de golpistas, que estão se passando por vendedores dos futuros imóveis. O alerta é da Prefeitura de Catanduva. Para conseguir dinheiro e fazer vítimas, eles tentam vender residências do empreendimento pelas redes sociais. A construção, entretanto, sequer saiu do papel.

“Pessoas maldosas vem interferir no sonho da casa própria daqueles que tanto tem lutado por isso. Vale alertar para toda a população que esse tipo de prática é fraudulenta. A única responsável pela comercialização dessas unidades será a empreendedora”, comenta Victor Daltin, coordenador municipal de Habitação.

A orientação do poder público é que os cidadãos não acreditem em qualquer tipo de investida nas redes sociais com a oferta de lotes ou imóveis do novo loteamento. Os criminosos estariam agindo pelo Facebook, mandando mensagens e ofertas de compra do imóvel, pedindo determinado percentual em troca, a partir de depósito em conta corrente.

Segundo a Coordenadoria de Habitação, o novo empreendimento se encontra em fase de implantação, não estando disponível para comercialização.

O PROJETO

A previsão é que o Nova Catanduva III seja composto por 1.642 unidades, sendo 1.338 lotes de interesse social que serão enquadrados no Programa Casa Verde Amarela – Faixa II. O núcleo dá sequência aos empreendimentos construídos na região do Gabriel Hernandez.

O Nova Catanduva I foi inaugurado em 2015 e possui 1.237 moradias. Já o Nova Catanduva II foi entregue em 2017 com 620 residências. O conglomerado de bairros arrastou polêmica devido à existência de um único acesso por cima da rodovia Comendador Pedro Monteleone.