Prefeitura cede áreas públicas para Cáritas Diocesana e Renovação Carismática

As concessões foram feitas a título precário, gratuito e por prazo indeterminado

Prefeitura cede áreas públicas para Cáritas Diocesana e Renovação Carismática

Foto: DIVULGAÇÃO - Comitiva liderada pelo bispo Dom Valdir esteve na Prefeitura

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 28/12/2021

O prefeito Padre Osvaldo (PSDB) publicou dois decretos em sessão extra do Diário Oficial, no dia 25 de dezembro, para conceder autorização de uso de duas áreas públicas para a Cáritas Diocesana de Catanduva e a Associação Fonte da Vida Renovação Carismática Católica. Em divulgação nas redes sociais, a Prefeitura tratou o ato como “presente de Natal”.

Uma comitiva religiosa esteve no gabinete da Prefeitura, na sexta-feira 24, para formalizar as concessões. O grupo foi liderado pelo bispo diocesano Dom Valdir Mamede. Também estiveram presentes os padres Synval Januário, Carlos Franquim e Valdir Fiorin, além dos líderes do movimento carismático, juntamente com o vereador Ivan Bernardi (PRTB).

O trâmite burocrático dos comodatos foi executado pela Secretaria de Administração, através do responsável Richard Casal, que também estava presente na reunião.

A Cáritas Diocesana de Catanduva foi contemplada com a permissão de uso de imóvel localizado no Jardim Santa Rosa, onde há anos foi construído um salão para celebração de missas, reuniões e demais atividades sociais e evangelizadoras. São mais de 1.000 metros quadrados.

“Iniciamos celebrações neste local na década de 80. Fizemos diversos trabalhos lá junto com a Pastoral da Criança, principalmente na antiga favela. A Paróquia São Francisco investiu muito naquela obra. Hoje, graças à atual administração municipal tivemos uma solução definitiva”, agradeceu padre Synval.

Também chegou ao fim a espera da Associação Fonte da Vida Renovação Carismática, que temia ser despejada da sede no Jardim Vertoni. A entidade foi contemplada com a cessão da área de quase 5 mil metros.

As concessões foram feitas a título precário, gratuito e por prazo indeterminado. Os imóveis deverão ser utilizados única e exclusivamente para o fim especificado, com restrição para cessão, transferência ou empréstimo. Em caso de encerramento das atividades ou mudança de finalidade, os efeitos do decreto serão suspensos e o bem restituído ao Patrimônio Municipal.