Prefeitura assina convênio para construção de 28 moradias do Programa Vida Longa

Cidade doará a área e assumirá manutenção do empreendimento após conclusão das obras

Prefeitura assina convênio para construção de 28 moradias do Programa Vida Longa

Foto: CARLOS MELLO - Moradias atenderão idosos que vivem sozinhos e em vulnerabilidade social

Da Reportagem Local
Publicado em 02/12/2021

A Secretaria de Estado da Habitação assinou na terça-feira, 30, no Palácio dos Bandeirantes, convênio para a construção de 28 unidades habitacionais do Programa Vida Longa, em Catanduva. As moradias são destinadas a idosos que vivem sozinhos, em situação de vulnerabilidade social.

A cerimônia teve presença do secretário de Estado da Habitação, Flavio Amary, do presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), Silvio Vasconcellos, e dos diretores da companhia Marcelo Hercolin e Aguinaldo Quintana.

"Trata-se de um programa muito especial, que busca atender o idoso em vulnerabilidade social. A prefeitura escolhe quem vai morar nas casas e o idoso não paga nada. É um equipamento público. A Secretaria da Habitação faz toda a construção, entrega todas as casas equipadas para a prefeitura que faz a gestão junto com a Secretaria de Desenvolvimento Social", destacou Amary.

Presente ao evento, o prefeito Padre Osvaldo (PSDB) elogiou o a iniciativa. "É uma demanda crescente em todas as cidades principalmente para essas pessoas em condições vulneráveis, portanto esse projeto vem no momento oportuno e vai trazer muitos benefícios para nossa cidade, para nossa região e é um sentimento de gratidão ver a cidade mais amparada, as pessoas com um lugar para serem acolhidas e viverem um final de vida com dignidade."

Lançado em outubro de 2019, o Vida Longa integra a política habitacional do Estado e tem o caráter protetivo. Os imóveis são projetados segundo parâmetros de acessibilidade do Desenho Universal, que estabelecem um conceito arquitetônico adaptável para permitir facilidade no uso da moradia por qualquer indivíduo com dificuldade de locomoção, temporária ou permanente.

Itens de segurança e acessibilidade constam no projeto, como barras de apoio, pias e louças sanitárias em altura adequada, portas e corredores mais largos, interruptores em quantidade e altura ideais, alarmes de emergência sonoros e luminosos, piso antiderrapante, entre outros. Recursos de acessibilidade também serão instalados nas áreas comuns do residencial.

Pessoas com 60 anos ou mais, preferencialmente sós e com vínculos familiares fragilizados, são o público alvo do programa. Os idosos devem ter renda de até dois salários mínimos, residir há pelo menos dois anos no município, além de terem autonomia para realizar tarefas diárias.

As cidades participantes são responsáveis pela doação de terrenos para a construção dos imóveis e pela gestão e manutenção do empreendimento após a conclusão das obras. O investimento estadual é a fundo perdido e o morador não paga taxa de ocupação, nem contas de água e luz. A licitação para construção do residencial de Catanduva está em andamento desde outubro.