Pior crise em 91 anos é resultado de má gestão dos recursos hídricos, afirma presidente do Instituto Iguá

Renata Moraes ressalta que é preciso melhorar eficiência do uso da água

Pior crise em 91 anos é resultado de má gestão dos recursos hídricos, afirma presidente do Instituto Iguá

Foto: DIVULGAÇÃO - Presidente do Instituto Iguá diz que setor privado precisa pensar mais em ações ambientais

Da Reportagem Local
Publicado em 11/10/2021

O Brasil tem enfrentado a pior crise hídrica em 91 anos – quando teve início o monitoramento das bacias hidrográficas do país. Isso tem afetado diversos setores e não só o de energia elétrica. Para Renata Ruggiero Moraes, diretora presidente do Instituto Iguá de Sustentabilidade, a crise está relacionada a uma série de fatores que inclui a má gestão dos recursos hídricos.

“Todas as coisas estão unidas, mas não geridas de forma conectada. O avanço da fronteira agrícola, desmatamentos, isso tudo impactando no ciclo da água, na frequência das chuvas. Diminuindo a vazão dos rios, intensificando as secas, enfim, tudo está conectado. E o poder público precisa melhorar a governança dos recursos hídricos, a eficiência do uso da água, a segurança hídrica, garantir a preservação das bacias e proporcionar maior acesso a água e saneamento, já que despejando esgoto sem o devido tratamento, poluímos. É um trabalho de gestão e segurança hídrica como um todo”, afirma.

“Todos sabem a importância da água. Sabem que ela é um elemento vital. Passamos dias sem comer, mas não sem beber. E, atualmente, temos mais de 35 milhões de pessoas sem acesso a água potável, o que corresponde a 17% da população. Quase metade dos habitantes não tem esgoto tratado. Essas pessoas estão distribuídas em realidades distintas: 20 milhões em áreas rurais, mais isoladas, onde é muito difícil construir redes e nas quais não há viabilidade econômica para a implantação de sistemas convencionais de saneamento”, analisa Renata.

Outro desafio também pode ser observado nas áreas urbanas. “Temos um adensamento muito grande, dificuldade de entrar com redes em comunidades, intensificação de problemas como doenças e que precisam ser pensadas soluções. Entra neste contexto, o DNA do Terceiro Setor. Temos realizado pilotos, cases em comunidades, testando soluções novas como modelos de engajamento da comunidade destes sistemas e, assim, com bons resultados podemos sistematizar essas experiências e ajudar formular políticas públicas como contribuição. O Terceiro setor tem essa flexibilidade para testar, que muitas vezes o setor público não tem, pelo engessamento e burocracia. E é diferente também do setor privado, que tem mais foco no resultado. O terceiro setor tem este papel de poder promover essa inovação social”.

Quando se fala em saneamento básico, a gestão é feita pelos municípios. “E a maior parte deles é composta por cidades pequenas, cujos prefeitos não estão preparados. Muitos municípios sequer desenvolvem plano de saneamento básico e, sem ele, não conseguem nem recursos para esta gestão”, afirma.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a cada R$ 1 investido em saneamento básico, há economia de R$ 4 em saúde. “Isso nos mostra que mais do que necessário, é um investimento que se viabiliza totalmente. Porém, infelizmente, no ponto de vista de alguns, é inviável porque não dá voto. Os frutos são de longo prazo e o impacto não é tão visível. É mais fácil gastar numa obra de hospital, quando poderia investir em saneamento e evitar que as pessoas ficassem doentes”.

Renata comenta sobre a necessidade do setor privado pensar mais em ações ambientais. “A virada de chave é quando há um conceito da externalidade. Até hoje, a gente causa impacto, mas nem sempre internaliza esses custos. A partir do momento em que isso estiver contabilizado e for custeado pelas empresas, elas terão menos retorno e terão de se adaptarem. E é isso que ao longo do tempo tem acontecido com aquelas que estão chegando agora no mercado de capital. Se a empresa é forte consumidora de água, como ela está garantindo a manutenção das bacias de onde retiram água? Como garante processos mais eficientes não só para si própria, mas para toda a cadeia? E a partir daí que se muda o comportamento, além da pressão e conscientização da sociedade”.

A população também é decisiva nesta questão ambiental e preservação da água. “O problema é cultural no Brasil. Vai da classe A à classe E. Muitos acham que a água chega pela torneira e vai pelo ralo. Não sabem de onde vem ou para onde vai. Não se enxergam como parte da causa. Somos parte do problema e parte da solução. Temos de trazer essa consciência para as crianças. Trabalhar essa educação desde os pequenos, a interação com a natureza. O consumo de água, toda a integração de que você faz parte disso. Ter esse olhar e entender, de fato, que a água é um recurso finito”, conclui a presidente.