PENEIRA FINA – 23/10/2021

Coluna – SÁBADO

PENEIRA FINA – 23/10/2021

ABRACE HCC

Enquanto o SBT promove, desde ontem à noite, a nível nacional, o Teleton para ajudar a AACD, as emissoras de rádio de Catanduva realizam hoje o 6º Rádio Abrace HCC, a partir das 9 horas, na Praça Monsenhor Albino. O projeto, que abraçou a campanha de captação de recursos para o Hospital de Câncer de Catanduva (HCC), reúne as emissoras de rádio colocando-as em cadeia para transmitir a mesma programação, divulgando informações sobre o HCC, depoimentos de pacientes, ex-pacientes, médicos e doadores.

TODOS JUNTOS

Neste ano participam as rádios Vox, Band, Mix, Ondas Verdes, Jovem Pan, Clube e Nativa com cobertura da Diário Painéis e, lógico, o Jornal O Regional. As emissoras estarão com suas viaturas na praça Monsenhor Albino para intervenções ao vivo, divulgando o HCC. Das 9h às 12h, ao ligar o seu rádio ou os aplicativos das emissoras, todos estarão sintonizados na mesma “programação do bem”. O primeiro 'Rádio Abrace HCC' foi realizado no dia 14 de maio de 2016, na Praça da República. O evento de 2020, realizado em 19 de setembro, arrecadou R$ 8.321,00. Se ligue nessa e faça o bem...

VISITA

O ex-vereador e médico Sinval Banhos foi convidado a falar na tribuna Carlos Machado na última terça-feira, na sessão da Câmara Municipal. Banhos é proprietário de uma loja de antiguidades e foi defender o projeto de lei do vereador Maurício Ferreira (PDT), que cria a Feira de Arte, Artesanato e Antiguidades em Catanduva. O médico foi vereador por duas gestões e também presidente da Casa de Leis. Na última eleição, chegou a ser cogitado em lançar seu nome como candidato a prefeito pelo Rede Sustentabilidade, mas não deu certo.

SAUDOSISMO

Em sua fala na tribuna, Sinval Banhos relembrou histórias de seus mandatos, inclusive citando brincadeiras entre ele, o empresário Gerson Gabas e Luís Pereira, que estava em seu primeiro mandato. O prefeito, na época, era Warley Agudo Romão que renunciou, em abril de 1992, para sair candidato a vereador. Não foi eleito.

GESTÃO

O vereador Marquinhos Ferreira (PT) relembrou 16 vereadores da gestão 1989-1992: Walner Pellizzon, Luís Pereira, Félix Sahão Júnior, João Morelli Filho, Ademar Raymundo de Moraes, Décio Bassanetti, Horácio Figueiredo, Léo Rebechi, Gerson Gabas, Walter Schettini, Sergio Rebelato, Doca Defendi, Maria Palombo, Gregório Gil e Sinval Banhos. Parabéns ao Marquinhos por estar com uma boa memória e relembrar quase todos os nomes. “Esses eram feras”, destacou Ferreira. Por um ato falho, esqueceu de citar Onofre Baraldi que também fez parte da mesma gestão.

FALHA NO SITE

Ao pesquisar os parlamentares de outras gestões no site da Câmara Municipal de Catanduva, eis que o internauta tem uma desagradável surpresa: na gestão de 1993/1996, são exibidos apenas três nomes de vereadores. Na gestão 1989/1992, a coisa fica pior: apenas dois nomes, em uma gestão que era composta por 17 edis. Algo que precisa ser revisto, pois falta uma parte da história política da cidade, além da homenagem aos que já passaram pelo plenário. Alô presidente...

CAUSOS

O vereador Luís Pereira (PSDB) aproveitou a boa conversa e contou dois “causos” antigos que aconteceram no plenário da Câmara, envolvendo momentos de vingança e até armas de fogo. Mas graças a Pereiron, El Grande Pacificador, tudo acabou bem e todos ficaram calminhos, calminhos.

MOEDAS

Pereira também relembrou o caso da votação de uma possível cassação do prefeito Warley, por viajar para a Espanha durante 15 dias. “As galerias do plenário não cabiam mais gente, e todos pressionando os vereadores e jogando moedas, e você tinha que ter uma postura.” No final, o prefeito não foi cassado.

DERROTA

A coligação União para o Bem de Catanduva e o Partido dos Trabalhadores (PT) tomaram um duro golpe, com a sentença dada pelo juiz eleitoral José Roberto Lopes Fernandes, que julgou improcedente a ação de investigação judicial eleitoral contra o prefeito Padre Osvaldo, seu vice Claudio Romagnolli e o vereador Luís Pereira, todos do PSDB.

PRIMEIRO ROUND

Como já dissemos anteriormente, lógico que esse é apenas o primeiro round desse embate. Com certeza, os advogados da coligação derrotada irão recorrer agora ao Tribunal de Justiça em São Paulo, em outras instâncias. Ainda está longe de ser colocado um ponto final nesta história.

ALÍVIO

Com certeza, todos os membros do PSDB Catanduva respiram um pouco mais aliviados. Lógico que vão dizer todo aquele blá-blá-blá que já sabiam que o resultado seria esse e tudo mais, porém até a sentença ainda havia aquele arrepio na espinha. Na denúncia foram incluídos três vídeos com filmagens de câmeras de segurança, onde haveria um esquema de compra de votos. Na sentença, o juiz destacou que os vídeos não possuíam áudio que comprovasse a compra de votos.

DUBLAGEM

Enquanto isso na sala de reunião de um partido: “por que não colocaram um microfone? Por que ninguém deixou o celular ligado? Por que não ativaram o som das câmeras? Por que? Por que? ....”

A FRASE

“Para se contestar os resultados das urnas, é preciso provas inconcussas das ilicitudes alegadas, porque, a vontade dos eleitores, concorde-se ou não, deve ser respeitada.” (José Roberto Lopes Fernandes, juiz eleitoral)