Nova presidente do Conselho de Saúde diz que desafios pós-pandemia serão crescentes

Conselheira enaltece e defende o Sistema Único de Saúde, o SUS

Nova presidente do Conselho de Saúde diz que desafios pós-pandemia serão crescentes

Foto: DIVULGAÇÃO - Neolita é a primeira mulher a assumir a presidência do Conselho de Saúde

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

A presidente do Conselho Municipal de Saúde, Neolita Soncin, recém-empossada no cargo, afirmou em entrevista ao Jornal O Regional que os desafios da saúde pública no período pós-pandemia serão ainda maiores. Ela prevê muito trabalho à frente do órgão para reivindicar e fiscalizar o sistema público de saúde, na busca por avanços e melhorias à população.

“Os desafios são muitos. Principalmente agora por causa da pandemia, ficou mais difícil ainda. São muitas as necessidades e a gente vê que isso vai seguir para frente. Mesmo depois que a pandemia acalmar e todos estiverem vacinados, as pessoas vão precisar de atendimentos, porque ficarão necessidades, sequelas, e a saúde do município será ainda mais necessária”, diz.

A conselheira enaltece o Sistema Único de Saúde, o SUS. “Era para ser modelo de saúde para o mundo, não fossem os desvios, a corrupção. O SUS é mantido por nós, pelos nossos impostos. É um bem público, que tem que ser usado para a população. É para o bem de todos, um dever do Estado, um bem conquistado por nós e ele não pode acabar. Temos que lutar muito pelo SUS.”

Primeira mulher a ocupar a presidência do Conselho Municipal de Saúde, Neolita tem mais de 22 anos de dedicação à Pastoral da Saúde, onde vivenciou experiências junto à população mais carente que reforçaram a vontade de colaborar pelo bem comum.

“Visitei muitos enfermos, idosos, e vi muitos deles passarem dificuldades por falta de remédios e outras necessidades. É muito sofrido. A gente sofre de ver essas pessoas que as vezes estão sozinhas, ficam à mercê de várias situações”, relata.

Há alguns anos ela se tornou conselheira local, no Conjunto Euclides, e há dois anos ingressou no conselho municipal. “Sei da responsabilidade, do compromisso que assumi, é um desafio, principalmente por ser mulher. Até então sempre foram homens que foram presidentes. Sou uma senhora, esposa, mãe e avó. Minha experiencia vem da minha vivência durante toda a minha vida, os trabalhos sociais, a dedicação dentro da igreja, na nossa comunidade.”

Ela defende a participação popular nos órgãos consultivos, como conselhos e associações. “É muito importante a participação da população. A gente passa a conhecer mais, entender um pouco e ver que, fazendo parte do conselho, podemos reivindicar mais, fiscalizar e avançar para que todos tenham uma saúde de qualidade, uma saúde mais representativa.”