Moradora do Pedro Borgonovi cobra ‘acordo’ com construtora após reunião com Prefeitura

Empresa confirmou que está fechando valas e a limpeza geral após o expediente

Moradora do Pedro Borgonovi cobra ‘acordo’ com construtora após reunião com Prefeitura

Foto: REPRODUÇÃO - Movimento de caminhões e máquinas têm causado transtorno a moradores do bairro Pedro Borgonovi

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

A construção de um novo loteamento próximo ao bairro Pedro Borgonovi continua causando transtornos aos moradores. Em vídeo veiculados nas redes sociais, Sirlene Amaral cobrou o cumprimento do “acordo” firmado com a construtora Taflex em reunião no início da semana, com presença de representantes da Prefeitura e do vereador Gleison Begalli (PDT).

“Hoje abriram toda a frente da minha casa para fazer a rede de esgoto, abriram três ou quatro buracos e o combinado foi, ao terminar, o caminhão vir lavar. Terminaram e, olha, até agora nada. Está toda essa sujeira, essa terra. Teve a reunião na segunda-feira e o combinado era: cada vez que terminasse um quarteirão, o caminhão-pipa iria vir aqui fazer a limpeza”, reclamou na quarta-feira, dia 4.

Consultada, a equipe responsável pela obra informou ao Jornal O Regional que é compreensível que o andamento das obras gere poeira e que a situação seja agravada pelo vento, mas reafirmou que a via de acesso ao bairro, onde há fluxo, está sendo molhada três vezes ao dia.

A empresa disse ainda que, ao final do expediente, está sendo feito o fechamento das valas e a limpeza geral. “A equipe está finalizando a drenagem na rua dos Lírios - a mesma que a cliente relata no vídeo”, completou.

Os problemas vivenciados pelos moradores do Pedro Borgonovi foram denunciados em reportagem de O Regional no dia 30 de julho. O fato fez com que o vereador Gleison Begalli organizasse reunião com os moradores, no local das obras, junto a representantes da Prefeitura e da construtora Taflex, do grupo Tarraf, na busca por um acordo.

Representante da empresa, o diretor de Engenharia Marco Aurélio Jacob Araujo esclareceu que a atual etapa será encerrada com rapidez.

“Nós acordamos com os moradores que os serviços vão ser terminados dentro de 15 dias. Já fizemos o remanejamento da entrada de material pela rua Rosa Cruz para evitar esse trânsito e a poeira seja minimizada”, explicou o profissional.

Nos primeiros dias depois do encontro, os moradores chegaram a elogiar as primeiras medidas tomadas pela construtora. O transtorno, segundo eles, já se prolonga por dois meses. Os imóveis mais prejudicados ficam bem ao lado do canteiro de obras do novo empreendimento. Conforme os relatos, o pó passou a dificultar a limpeza dos imóveis e a causar problemas de saúde.

“O momento é passageiro e o empreendimento trará maior valorização a toda região após sua conclusão, melhorando significativamente toda a infraestrutura e a qualidade de vida dos moradores”, frisou a Taflex, em nota.