Ministério Público instaura inquérito para investigar contrato do Mahatma Gandhi em Bebedouro

Instituição reafirmou que seus custos são rateados entre os diversos contratos

Ministério Público instaura inquérito para investigar contrato do Mahatma Gandhi em Bebedouro

Foto: Divulgação - Vereador de Bebedouro apresentou representação contra o Mahatma Gandhi

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

O Ministério Público do Estado de São Paulo acatou denúncia formulada pelo vereador José Baptista de Carvalho Neto (SD), o Chanel, da cidade de Bebedouro, e instaurou inquérito civil para apurar possíveis irregularidades na execução do contrato de gestão firmado pela Prefeitura com a Associação Mahatma Gandhi, de Catanduva.

De acordo com ofício encaminhado pela Promotoria de Justiça ao parlamentar, a investigação terá como foco o contrato de prestação de serviços médicos especializados para plantão de retaguarda no Hospital Municipal de Bebedouro 'Julia Pinto Caldeira'.

“Em especial no tocante ao pagamento de despesa denominada rateio (divisão de despesas da sede administrativa com todas as unidades gerenciadas pela instituição), correspondente a 8,24% do valor contratado, muito superior àquele permitido e aceito pelos órgãos de fiscalização e ao pagamento de despesas que não se referem à sede administrativa da OSS”, indica o documento.

Chanel comemorou a instauração do inquérito. “Esperamos que a Justiça faça o seu papel, tenho certeza disso, acredito nela, e que parte desses recursos agora que foram gastos indevidamente possam voltar para nossa população para que ele seja empregado na saúde realmente.”

Em postagem nas redes sociais, ele também mandou recado direto aos munícipes: “Enquanto o dinheiro da saúde, para a qual você contribui pagando seus impostos, continuar bancando regalias em outra cidade, você vai continuar esperando horas e horas para ser atendido no Pronto Socorro, vai esperar anos na fila para fazer exames e cirurgias eletivas, vai continuar faltando remédio e infelizmente você não vai conseguir passar por um médico especialista na área que necessita e consequentemente sem conseguir marcar sua cirurgia. Precisamos dar um basta nessa situação para que as pessoas parem de morrer pela falta desse atendimento.”

Além da Promotoria de Justiça de Bebedouro, Chanel formalizou denúncia no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e na Procuradoria de Justiça do Estado.

RESPOSTA

Procurada, a Associação Mahatma Gandhi afirmou que o vereador desconhece a matéria ou agiu com maldade para fins meramente eleitorais.

A instituição esclareceu que conforme regra do Tribunal de Contas, seus custos são compartilhados e rateados entre os diversos contratos de forma proporcional ao número de empregados em cada projeto, como forma de contrapartida pelos serviços.