Meio Ambiente terá 6 mil bombeiros para controlar focos de queimadas

Governo prevê queda de 30% no desmatamento nos números de agosto

Meio Ambiente terá 6 mil bombeiros para controlar focos de queimadas

Foto: Marcello Casal Jr - Joaquim Leite disse que irá fazer as contratações em parceria com os ministérios de Desenvolvimento Regional e Justiça e Segurança Pública

Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, falou hoje (2), em entrevista ao programa A Voz do Brasil, que os novos recursos da pasta serão aplicados em inovação e na contratação de 700 novos servidores para reforçar os trabalhos no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O governo federal já havia anunciado que dobraria as verbas para o combate às queimadas e crimes ambientais em abril.

Joaquim Leite afirmou, ainda, que a pasta contratará seis mil bombeiros estaduais, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional e o Ministério da Justiça e Segurança Pública. O ministro afirmou que o contingente atuará de forma descentralizada em todos os biomas que concentram incêndios e queimadas no Brasil, como na região do Pantanal, em Mato Grosso, no Cerrado do Centro-Oeste e em toda a Região Norte.

“O governo federal tem uma determinação: eliminar o desmatamento ilegal no brasil. São R$ 470 milhões para reforçar os órgãos de controle”, afirmou o ministro.

Plano de combate ao desmatamento
Segundo Joaquim Leite, uma das soluções encontradas pelo governo federal é “reconhecer e remunerar quem cuida das florestas”, o que resultou na criação da iniciativa Floresta+, que viabiliza um mercado de serviços ambientais remunerados pelo Estado. “O desafio desse programa é atingir um número relevante de hectares, especialmente na Amazônia. Assim, conseguimos dar uma alternativa para quem vive no território”, afirmou.

COP 26
Joaquim Leite adiantou que o Brasil atuará em duas frentes para a Conferência Das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP 26. A primeira será apresentar projetos de redução real de emissões dos gases do efeito estufa. A segunda será baseada na proteção de florestas e vegetação nativa.

Segundo informou Leite, o Brasil apresentará casos reais de pessoas que lutam pela preservação. “Vamos apresentar um Brasil que protege o seu território. Vamos mostrar o Brasil real - que pouca gente conhece - para o mundo, e mostrar que o país faz, sim, uma atividade sustentável na indústria, no transporte, na energia e, especialmente, na agricultura”, reforçou.