Gasa suspende atendimento ao público e mantém contatos apenas por cartas

Fato coincide com apuração de denúncias feitas por paciente barrada pela entidade

Gasa suspende atendimento ao público e mantém contatos apenas por cartas

Foto: O REGIONAL - Repórter foi orientado a enviar carta ou falar com advogado da ONG

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 12/12/2021

O Gasa - Grupo de Apoio e Solidariedade ao Paciente com Aids decidiu fechar as portas de sua sede para reforma. O fato inusitado na história é que o atendimento presencial foi suspenso por completo e as pessoas que procuram o local ou fazem contato por telefone estão sendo orientadas a encaminhar carta via Correios com AR, o Aviso de Recebimento.

Depois de receber a denúncia de uma cidadã que tentou contato telefônico, sem sucesso, o Jornal O Regional também tentou os dois caminhos. Quando o repórter Rodrigo Ferrari esteve no local, chegou a ser atendido por uma secretária que abria o portão para a entrada de um pedreiro. A orientação foi exatamente a mesma: pedidos apenas via Correios.

Questionada sobre a situação e o custo que o envio de cartas com AR pode representar aos pacientes, a funcionária afirmou que segue ordens da diretoria e indicou o contato do advogado que representa a instituição – que não atender às ligações da reportagem na sexta-feira, 10.

A suspensão do atendimento presencial no Gasa coincide com a apuração de denúncias feitas pela paciente Sheila Souza, que acabou sendo barrada na ONG por 12 meses depois de reclamar dos valores dos produtos no único varejão que aceita o vale-legumes oferecido pela entidade.

O caso foi denunciado por ela ao Conselho Municipal dos Direitos LGBTs, que encaminhou denúncia ao Ministério Público, e ao Conselho Municipal de Saúde, que exigiu esclarecimentos da entidade e encaminhou relatório para apreciação da Secretaria Municipal de Saúde.

Fundado em 1991, o Gasa é uma ONG – Organização Não Governamental sem fins lucrativos que atende pessoas vivendo com HIV/Aids e seus familiares. Na área social, a entidade oferece oficinas terapêuticas semanais, além de cesta básica e vale-legumes mensal aos pacientes.

Outras ações do Gasa são desenvolvidas em conjunto com o poder público, com atendimento médico, ambulatorial e psicológico. As atividades são lideradas pela equipe do Programa Municipal IST/Aids. Conforme levantamento do Jornal O Regional, os recursos públicos repassados atualmente ao Gasa, federais e municipais, são de quase R$ 70 mil mensais.