Estudo projetou canalização do Rio São Domingos para solucionar enchentes

Autoridades prometeram sanar ‘brevemente’ problemas das cheias

Estudo projetou canalização do Rio São Domingos para solucionar enchentes

Foto: Acervo / Nelson Bassanetti - Rio São Domingos nos anos 1950, visto da ponte da rua Maranhão

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 07/10/2021

A Prefeitura de Catanduva contratou a firma Pacicon – Pacific Consultants do Brasil, em 1970, para combater as inundações das áreas ribeirinhas do rio São Domingos. Segundo relatou O Regional, em sua edição inaugural, “na época das cheias, o rio São Domingos torna-se um verdadeiro terror para as populações próximas a ele, transformando-se em problema de calamidade pública”.

De acordo com a reportagem, ruas eram alagadas, casas e estabelecimentos comerciais invadidos pelas águas barrentas do rio que fugia do seu leito e se espraiava pela parte baixa. “Agora o rio impetuoso está sendo domado. Os trabalhos já aprovados do ante-projeto da Pacicon foram adequadamente re-estudados e detalhados para a feitura do projeto básico.”

A solução apontada, à época, mandato do prefeito Engenheiro João Righini, foi a canalização do ribeirão – descartando-se a construção de barragem devido ao pequeno desnível, condição que limitaria a altura do barramento.

“Com a retificação do rio São Domingos e sua consequente canalização, as pontes das ruas Amazonas, Pará, Brasil, Maranhão e São Paulo, cujos vãos são a ordem de 8 a 10 metros, terão que ser demolidas e em seus lugares construídas outras, cujos vão terão que ter 20 metros. Por outro lado, o leito do rio São Domingos deverá ser alargado, ganhando, então, 20 metros”.

Pelo projeto traçado em 1971, o rio São Domingos deveria ser retificado até 4 quilômetros abaixo da cidade, “sendo que a canalização deverá ser feita somente na parte desde o Conjunto Esportivo até um pouco mais abaixo da rua São Paulo”. O investimento global foi estimado em Cr$ 12.843.295,00, a ser feito por etapas, com até 35% que seriam custeados pelo município.

O plano seguinte seria a construção de emissários de esgoto – fato que só viria a ocorrer cerca de 40 anos depois, no segundo mandato do ex-prefeito Afonso Macchione Neto, assim como a canalização do trecho do rio São Domingos entre as ruas Ceará e São Paulo, feita em seu terceiro mandato. No período, pelo menos quatro grandes enchentes devastaram a área central.