Com licitação milionária na fase final, Prefeitura prorroga contrato do Restaurante Popular

Empresa que administra a unidade continuará pelo menos até 19 de novembro

Com licitação milionária na fase final, Prefeitura prorroga contrato do Restaurante Popular

Foto: O REGIONAL - Restaurante poderá ser gerido por empresa de Joinville em 2022

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 29/10/2021

A Prefeitura de Catanduva prorrogou por mais 30 dias o contrato firmado com a Nascente Refeições Coletivas, administradora do Restaurante Popular. A empresa produz 330 refeições diárias, de segunda a sexta-feira, conforme contratação feita em 2016 e aditivos posteriores. O novo termo aditivo começou a valer no dia 19 de outubro.

O Jornal O Regional apurou que o prazo poderá não ser suficiente para que a ganhadora do novo processo licitatório, já em fase final, assuma o serviço no local. Funcionários afirmam que a atual gestora da unidade poderia prosseguir até o final do ano.

A reportagem questionou a administração municipal sobre a prorrogação do contrato atual e se o prazo será suficiente. “O Setor de Licitações e a Secretaria de Assistência Social estão tomando as providências formais para que a empresa vencedora do assuma o serviço dentro do prazo”, informou.

Na concorrência que está em andamento, a única habilitada para a última etapa foi a Sepat Multi Service, de Joinville-SC. Outras três empresas participaram do certame: Guilherme Prata, DML Service Alimentação e Oliveira Maria Refeições Coletivas, mas foram desclassificadas.

Diante da análise dos documentos e da manifestação da Secretaria Municipal de Assistência Social sobre a qualificação técnica, a Comissão decidiu inabilitar as três outras concorrentes por não terem apresentados documentos ou os mesmos serem incompatíveis com o edital.

Conforme informações disponíveis no LinkedIn, a Sepat – Administração de Restaurantes iniciou suas atividades em Joinville no ano 2000, onde está sua matriz. As filiais estão em Florianópolis (SC), Lages (SC) e Londrina (PR). “Nosso objetivo é oferecer soluções em serviços de alimentação coletiva, com foco na saúde, bem-estar e equilíbrio alimentar dos nossos clientes, colaboradores e partes interessadas”, indica.

A Prefeitura poderá desembolsar até R$ 1,166 milhão por ano no novo contrato, já que o valor subsidiado por prato está estimado em R$ 14,73. O valor é 123% maior que o pago hoje, de R$ 6,60. Serão 300 refeições diárias de segunda a sexta-feira, 6.600 a cada mês e 79.200 por ano. O preço unitário pago pelos consumidores, por refeição, será de R$ 1,99.