Com alerta desde 2018, Gasa presta contas ao Conselho de Saúde sobre cesta de legumes

Ex-prefeito chegou a notificar entidade por falta de detalhamento em nota fiscal

Com alerta desde 2018, Gasa presta contas ao Conselho de Saúde sobre cesta de legumes

Foto: O REGIONAL - Conselho encaminhou relatório para a Secretaria Municipal de Saúde

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 08/12/2021

Depois de receber denúncia de Sheila Souza, paciente do Gasa - Grupo de Apoio e Solidariedade ao Paciente com Aids, o Conselho Municipal de Saúde constatou possível divergência na nota fiscal apresentada pela instituição para compra da Cesta de Legumes. De acordo com o órgão, os conselheiros decidiram chamar os diretores da entidade para prestar explicações.

“Foram convidadas a Presidente Sra. Gisela e a Tesoureira Sra. Lúcia para uma reunião com a Mesa Diretora e com a Comissão de Orçamento e Finanças deste (conselho), as mesmas estiveram presentes e foram feitos alguns esclarecimentos”, relata a presidente Neolita Soncin.

O Conselho de Saúde encaminhou relatório para a Secretaria Municipal de Saúde, que tem a Comissão de Fiscalização e Acompanhamento dos Contratos de Gestão da Saúde, para outras verificações. “Este Conselho estará acompanhando os trâmites desse Processo Administrativo.”

Questionada sobre outros temas denunciados por Sheila Souza, conforme reportagem veiculada pelo Jornal O Regional em novembro, Neolita esclareceu que as oficinas terapêuticas realizadas pela ONG são acompanhadas, já que visam à melhoria da saúde dos pacientes. Referente à cesta básica, informou tratar-se de doação que, por isso, não compõe a prestação de contas do Gasa.

Neolita afirmou, ainda, que o afastamento da paciente por um ano, conforme determinado pela diretoria do Gasa, é objeto de apuração do Conselho Municipal dos Direitos LGBTs. O órgão, conforme revelado por O Regional, já encaminhou denúncia sobre o caso ao Ministério Público.

De acordo com Rafael Abrão, presidente do Conselho LGBT, sem conseguir contato com a presidente do Gasa e após agendar reunião para a qual a entidade não enviou representantes, o conselho deliberou em reunião que o caso seria encaminhado ao MP para apuração.

“O conselho encaminhou todos esses documentos ao Ministério Público e também para a Coordenadoria da Diversidade Sexual de SP para ser averiguado e resolvido”, completa.

ALERTA EM 2018

Ofício encaminhado ao Gasa pelo ex-prefeito Afonso Macchione Neto e o ex-secretário de Saúde, Ronaldo Gonçalves Junior, em 20 de junho de 2018, ao qual a reportagem do Jornal O Regional teve acesso, revela que os problemas com as notas fiscais de frutas, verduras e legumes não são recentes. O documento frisa que a NF deveria relacionar todos os produtos comprados. A divergência fez com que as contas de 2017 da entidade fossem aprovadas com ressalvas.

TRÊS ORÇAMENTOS

Em entrevista ao Jornal O Regional, a presidente do Gasa, Gisela Silva Bucchi, informou que a entidade faz orçamentos periódicos entre os varejões da cidade para, a partir disso, definir qual o melhor preço do chamado vale-legumes, que também contempla frutas e verduras. Sobre a denúncia do Conselho LGBT, o Gasa afirmou que “não tem conhecimento de nenhuma denúncia”.