Catanduva registra queda de 26% no número de mortes no trânsito, aponta Infosiga SP

Estatísticas do Infosiga revelam diminuição nos óbitos em novembro e no comparativo com 2020

Catanduva registra queda de 26% no número de mortes no trânsito, aponta Infosiga SP

FOTO: DIVULGAÇÃO - Foram 19 ocorrências fatais de janeiro a novembro de 2020 contra 14 este ano

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local
Publicado em 19/12/2021

De acordo com os novos dados do Infosiga SP, sistema do Governo do Estado gerenciado pelo programa Respeito à Vida e Detran.SP, a cidade de Catanduva registrou queda de 26% de mortes no trânsito. No acumulado dos onze primeiros meses do ano foram 19 ocorrências fatais em 2020, em comparação com 14 registradas este ano.

Já o número de acidentes com vítimas teve diminuição de 67% na comparação entre novembro de 2020 e 2021, de três para uma ocorrência.

O Estado de São Paulo também registrou queda no número de mortes no trânsito no comparativo entre novembro de 2021 e 2020 – passando de 426 em novembro do ano passado para 387 óbitos por acidentes de trânsito no mesmo mês deste ano, redução de 9,2%.

Também houve redução nas mortes se comparado o acumulado entre janeiro e novembro de 2020 e de 2021. No período, foram registrados 4.437 óbitos no ano passado e 4.408 neste ano, uma diminuição de 0,7%.

ILUMINAÇÃO

Estudos indicam forte redução de mortalidade em trechos urbanos de rodovias que foram iluminadas. Um deles, que reuniu resultados de 50 pesquisas referentes ao impacto da iluminação sobre os acidentes em vias previamente não iluminadas, concluiu pela redução de 60% em acidentes fatais nessas áreas.

CINTO NO BANCO TRASEIRO

Pesquisa realizada pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Arteso) em rodovias concedidas indicou, em 2019, que em torno de 10% das pessoas não usam o cinto de segurança nos bancos dianteiros e 30% no banco traseiro.

Essa prática é de extrema importância e vem sendo estimulada por meio de campanhas educativas e da fiscalização, uma vez que estudos indicam redução de mortalidade em torno de 25% para ocupantes que usam o cinto no banco traseiro e 45% nos bancos dianteiros.