Catanduva mantém tendência de alta e saldo positivo na geração de empregos

Agosto registra segundo melhor resultado do ano com 521 novas vagas

Catanduva mantém tendência de alta e saldo positivo na geração de empregos

Foto: Divulgação/Governo do Paraná - Setor de serviços foi o que mais contratou e principal responsável por garantir o resultado positivo

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 01/10/2021

Os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de agosto comprovam que Catanduva prossegue com a tendência de alta na geração de empregos. Foram 521 novos postos de trabalho gerados, fruto de 1.422 admissões e 901 desligamentos.

O resultado do mês passado foi puxado pelo setor de serviços, que sozinho contratou 341 novos funcionários. Na sequência aparece o comércio, com 87 postos de trabalho, e a indústria com 44. A construção civil teve saldo positivo de 27 empregos gerados e a agropecuária, 22.

Os números só não foram melhores que os de janeiro, mês com 770 novas vagas criadas. Esse é o segundo mês consecutivo com resultado positivo em Catanduva. Em julho, foram 277 postos de trabalho gerados. Maio também fechou no azul, com 18 vagas.

Em contrapartida, outros meses ficaram no vermelho: foram 291 postos de trabalho perdidos em fevereiro, 152 a menos em março, 246 em abril e 25 em junho.

No acumulado do ano, o município contabiliza 10.985 admissões e 10.113 desligamentos, alcançando saldo de 872 vagas de emprego de janeiro a agosto. O estoque do município, segundo o Caged, é de 37.979 de pessoas com carteira assinada.

A principal contribuição neste ano é do setor de serviços, que teve saldo de 1.439 postos, sendo seguido muito à distância pela indústria, que abriu 77 vagas, e a agropecuária, com 66. Já a construção civil amarga resultado negativo de 667 empregos; já o comércio, 43 a menos.

PERFIL

De acordo com o Caged, das 872 vagas abertas em Catanduva este ano, 766 foram preenchidas por mulheres e 106 por homens. No saldo por faixa etárias, o grupo de 18 a 24 anos lidera com 439 vagas geradas, seguido por 40 a 49 anos (221), 30 a 39 anos (136), até 17 anos (124) e 25 a 29 anos (55). Os grupos de trabalhadores com idade superior a 50 anos tiveram saldo negativo.

O levantamento também indica saldo por grau de instrução: as pessoas com ensino médio completo foram as que mais conseguiram vagas no mercado, com saldo de 721 empregos. Na sequência, aparecem o Superior Completo (122), Fundamental Completo (63) e Superior Incompleto (37). O saldo foi negativo para Ensino Médio (-58) e Fundamental (-13) incompletos.

COMPARATIVO

A geração de 872 postos de trabalho em oito meses foi bastante abaixo do mesmo período do no passado, quando o saldo chegou a 1.946 vagas. Foram 10.701 contratações, contra 8.755 desligamentos. Na época, a principal contribuição foi do setor de serviços (1.987) e da construção civil (302). Já comércio, indústria e agropecuária tiveram saldo negativo.