Após seis meses, Usina de Oxigênio entra em funcionamento na UPA de Catanduva

Conquistada no pior momento da pandemia, equipamento chegou a ser anunciado para julho

Após seis meses, Usina de Oxigênio entra em funcionamento na UPA de Catanduva

Foto: PREFEITURA DE CATANDUVA - Usina da UPA recebeu investimento de R$ 1 milhão da Petrobrás

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 25/12/2021

A Usina de Oxigênio da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) entrou em funcionamento na quinta-feira, 23, após cerimônia de inauguração realizada pela Prefeitura de Catanduva no local. A implantação, iniciada no mês de junho, em meio ao pior momento da pandemia do novo coronavírus vivenciada pelo município, arrastou-se por cerca de seis meses até a conclusão.

Em entrevista ao Jornal O Regional, a secretária de Saúde, Cláudia Monteiro, evitou falar sobre a demora para a entrega do equipamento – que chegou a ser anunciado para o mês de julho.

“Recebemos a notícia da possibilidade de doação justamente naquela fase crítica. Mas uma usina de oxigênio é muito bem-vinda para o município e pandemia, mundial, emergência internacional, como todos têm percebido, a inserção de novas cepas, novos vírus, acho que é um ganho. Inclusive não só para uma pandemia, porque o oxigênio é utilizado na rotina da UPA e dos hospitais, e economicamente para nós vai ser uma economia”, salientou.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a nova ala atenderá os pacientes internados com crise respiratória aguda que necessitam do oxigênio. A usina terá capacidade de produzir 432 metros cúbicos do insumo por dia, quantidade suficiente para atender todos os leitos da UPA. Atualmente, segundo o setor, o gasto é de R$ 150 mil por ano na compra de insumo.

A usina funciona como um gerador do gás hospitalar. O ar comprimido passa por um processo rigoroso de filtragem. São removidos os elementos indesejados, como o nitrogênio e o dióxido de carbono. Após a purificação, o insumo chega direto aos pacientes internados através de dutos com uma pureza de 95%.

A usina de oxigênio da UPA de Catanduva é resultado de articulação do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems), Governo do Estado de São Paulo, Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo e parceria com a empresa Petrobrás. A Prefeitura investiu cerca de R$ 100 mil na implantação e a Petrobrás aproximadamente R$ 1 milhão.