Após longa história, pavimentação da rua Mongaguá deve ser concluída em janeiro

Obra entra na etapa final, depois de idas e vindas e vários contratos rescindidos

Após longa história, pavimentação da rua Mongaguá deve ser concluída em janeiro

Foto: PREFEITURA DE CATANDUVA - Rua Mongaguá começou a ser asfaltada dias antes do Natal

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 31/12/2021

A pavimentação da rua Mongaguá, no Jardim Alpino, envolve uma longa história, que está prestes a se encerrar. As obras no local tiveram início dias antes do Natal e, de acordo com a Prefeitura de Catanduva, deverão ser retomadas na semana que vem. A expectativa é que, na sequência, sejam feitos serviços complementares, como a sinalização de trânsito.

O investimento foi viabilizado a partir da liberação de recursos pelo Governo do Estado. O contrato foi firmado com a JTR Construções e Terraplanagem no valor de R$ 1,35 milhão.

O pacote prevê pavimentação das ruas Guarujá (Alpino), Itapetininga (Del Rey), Santo Amaro (Jardim do Lago), Matão (Vila Guzzo), Pinheiral (Colina do Sol) e na continuação das avenidas Francisco de Lima Machado (Euclides) e Daniel Soubhia (Colina do Sol), além de recape na rua São Caetano (Jardim do Lago). Serão asfaltados, ao todo, 30 quarteirões.

O anúncio da verba foi feito pelo prefeito Padre Osvaldo (PSDB) no início do ano, após uma de suas viagens à capital paulista. Na ocasião, a reportagem do Jornal O Regional questionou a situação, afinal, anunciava-se recurso para obra com dinheiro já repassado anteriormente.

A licitação anterior, aberta em 2020 e estimada em R$ 567,6 mil, utilizaria saldo de repasse de R$ 2 milhões utilizados para a pavimentação do prolongamento da rua Pindamonhangaba, no Bom Pastor, e a reconstrução das pontes da estrada de Novais e do Jardim Santa Paula.

O certame acabou sendo revogado pela Prefeitura, este ano, depois que o convênio firmado com o Estado para execução das obras foi cancelado. Nas redes sociais, Padre Osvaldo afirmou que os recursos precisaram ser devolvidos ao governo paulista “por não terem sido aplicados em tempo hábil”. Ele também celebrou o asfalto “depois de 30 anos de espera”.

RELEMBRE

De acordo com levantamento feito por O Regional, a pavimentação da rua Mongaguá foi incluída na lista de financiamento do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, em 2013, sem ser contemplada, e apresentada uma vez mais no PAC 2, no ano seguinte – sem sucesso. 

Em 2018, a obra foi objeto de duas licitações para uso dos R$ 2 milhões liberados pelo Estado. A primeira foi rescindida depois de concluída a ponte da vicinal de Novais. No segundo processo, foram executadas apenas a ponte do Santa Paula e a pavimentação da Pindamonhangaba.

A partir daí, entre idas e vindas, a Prefeitura implantou a infraestrutura na rua Mongaguá. A lentidão da instalação de galerias pluviais fez com que mais um contrato fosse rescindido, em 2020. As últimas etapas do serviço foram concluídas por servidores públicos, no ano passado.