Após denúncia, Cetesb nega mortes de peixes no Rio da Onça em Novais

Mateiro voltou ao local nesta terça-feira e registrou novas imagens de peixes mortos

Após denúncia, Cetesb nega mortes de peixes no Rio da Onça em Novais

Foto: JOSÉ ALAOR GOMES - Peixes mortos se espalham pelas águas do rio da Onça, entre Novais e Embaúba

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

Técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, a Cetesb, da agência de São José do Rio Preto, realizaram inspeção no rio da Onça, na divisa dos municípios de Tabapuã, Novais e Embaúba e não constataram mortandade de peixes. A vistoria foi feita após denúncia do jornal O Regional a partir de imagens registradas pelo mateiro José Alaor Gomes.

“Na oportunidade, foi verificado os níveis de oxigênio na água e os resultados de 9,65 e 9,11 mg/L, demonstrou uma situação regular. Verificou-se uma coloração levemente esverdeada no ribeirão, podendo ser indicativo do início de uma floração de algas, em decorrência da baixa vazão do curso d´água causado pela forte estiagem na região. No momento da vistoria não identificados lançamentos de efluentes”, indicou a Cetesb, em nota.

Os primeiros vídeos foram captados no domingo, 15, e exibidos nas redes sociais na segunda-feira. Depois da nota da Cetesb, o morador de Novais retornou ao local na terça-feira, entre 12 e 13 horas, e registrou em fotos e vídeos que os peixes continuam morrendo. A gravação foi feita na Fazenda Samuil, próximo à “ponte velha”, ponto conhecido dos pescadores.

“Eu acho um descaso dos órgãos competentes falar que não está morrendo peixe. Eu poderia subir o rio da Onça até onde está a contaminação, ninguém precisa repetir imagem não, dá essas imagens para qualquer perito”, denuncia Gomes, exibindo piaus e lambaris mortos. “Qual é o órgão que vem aqui junto comigo e fala que não está morrendo peixe?”.

Caminhando ao longo do rio, Gomes mostrou peixes agonizando e chegou a encostar em um deles, ferido e nadando lentamente, dando sinais de que não sobreviverá muito tempo no local. “Quando fiz as imagens, não foi para incriminar ninguém, a gente pediu uma ajuda, um esclarecimento do que está acontecendo, mas infelizmente a gente acabou desmentido. Eu também queria que isso aqui fosse mentira. Nosso rio está morrendo aos poucos”, lamentou.

A reportagem do Jornal O Regional encaminhou os novos registros em vídeo para a Cetesb, que confirmou a reavaliação. “A Agência da CETESB, em São José do Rio Preto, fará uma nova inspeção no Rio da Onça, exatamente no local indicado pelo denunciante, para avaliar a ocorrência.”