No Clube do Remo, catanduvense é destaque no cenário dos games por celular

Jovem está entre os 37 nomes selecionados por entidades do E-Sports Mobile

No Clube do Remo, catanduvense é destaque no cenário dos games por celular

Foto: DIVULGAÇÃO - Do gramado real para o digital, Juan Capita é youtuber, streamer e Pro Player

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

Trinta e sete nomes do país foram selecionados por entidades ligadas ao cenário do PES Mobile, versão para celular da famosa franquia de jogos de futebol para videogame da Konami, e entre eles aparece o catanduvense Juan Rodrigues, o Juan Capita, de 17 anos. Da lista, um deles será escolhido de forma unânime e outros sete em votação popular para um torneio nacional.

Juan, morador do Solo Sagrado 1 e aluno do 3º ano do Ensino Médio na escola estadual Dinorah Silveira Borges, teve o primeiro contato com o E-Sports Mobile aos 13, mas, sem um celular adequado, jogava apenas offline. Chegou a atuar pelos times sub-15 do Rio Preto e Catanduva e, já afastado dos gramados reais, começou a tomar gosto pelas partidas digitais.

“Entrei para um clã, que é uma equipe com vários players, onde me destaquei muito rápido, em apenas um mês, e logo meu clã fechou parceria com o Remo”, conta.

A partir daí, começou nova etapa em sua carreira. “Venho me destacando muito dentro do meu clube, da minha organização, que é o Remo, do Pará, que tem o time de futebol. Subi etapa por etapa. Passei pela base, subi para o profissional, já estou conseguindo ser titular nas últimas partidas, então fui ganhando destaque muito grande em competições”.

Com o Remo, o catanduvense foi campeão do Brasileirão da Série D e, em todas as partidas que participou, teve o melhor jogador em campo. “Também estamos na Copa do Brasil, o que nos dá um certo destaque dentro do cenário e eu estou fazendo as partidas muito bem.”

Segundo Juan, as competições individuais estão elevando os nomes dos players e é nessa categoria que ele vem ganhando espaço. Foram sete títulos no último mês, o que chamou a atenção da comunidade, já que muitos jogos são transmitidos em tempo real. “A galera vai acompanhando seu trabalho, gosta da sua vitória, da sua jogabilidade”, explica.

Em sua rotina, além dos estudos do Ensino Médio, entram o aprofundamento sobre funções táticas, escalações e estratégias de jogo.

“Para chegar nesse nível, é preciso treinar e procurar saber o jogo. Não é só jogar, achar que o seu time está bom, porque está bom no papel, tem só jogador bom. Você tem que entender a sua formação, a que você se encaixa melhor, entender cada função dos jogadores, pois cada um tem um estilo de jogo. Você tem que entender o jogo e táticas para ter o melhor desempenho”.

NOVO STREAMER

De forma paralela, Juan Capita passou a atuar como youtuber, apresentando tutoriais e começou a ganhar seguidores. Ele chamou atenção da PLM, maior organização de PES Mobile do país, que o anunciou como seu novo streamer – responsável por jogar ao vivo em lives.

Em evolução, ainda se tornou um dos colaboradores do E-Brasileirão. “Já existe Seleção Brasileira, copas internacionais, várias seleções, tem as seleções dos Estados – casos de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Rio de Janeiro, Minas Gerais”.

O E-Sports Mobile como um todo, diz ele, está em franco crescimento no Brasil, impulsionado pela facilidade de acesso ao celular – bem mais em conta do que os videogames de última geração – e pela mobilidade em comparação com o console ou computador.

“O cenário de esporte mobile vem crescendo cada dia mais e todo mundo fala que vai dominar o cenário brasileiro e até mesmo mundial. Hoje em dia você escuta falar mais sobre o Free Fire do que o próprio PES em console, o Fifa, que são jogos populares”, avalia.

MERCADO LOCAL

Em Catanduva, o cenário do PES Mobile é bastante restrito, segundo o gamer. São poucos jogadores se dedicando ao jogo e outros praticando apenas por diversão, sem acreditar que podem se tornar profissionais, o chamado Pro Player. Juan seria o único da cidade nesse nível.

“Eu tinha vontade de fazer um clube só com catanduvenses e o pessoal da região. Mas é muito carente essa área de PES Mobile. Aqui reina o Free Fire, Fortnite, Pugb, tem a V7 que é um dos meus apoiadores, uma organização de Free Fire em Catanduva, porém em PES é carente”, diz o jovem, que tem como principal apoiador William Barriento, coordenador da BET.130.

Com seu crescimento, Juan busca novos patrocinadores e precisa, de forma rápida, comprar um celular específico para as competições. Atualmente ele utiliza um único aparelho para todas as suas atividades, o que acaba sobrecarregando e causando problemas nos torneios. “No cenário profissional é muita transmissão e acaba travando, atrapalhando”, explica.

Apesar de compor o Clube do Remo, o jovem explica que são poucas equipes que pagam para players apenas jogarem. “É um cenário em desenvolvimento. Faltam investidores nos clubes de PES Mobile. Porém, ao se destacar, você consegue patrocinadores, reconhecimento.”