Edição de aniversário de O Regional vai integrar acervo histórico de colecionador da Grande SP

Jornalista reúne cadernos especiais dos grandes jornais do país

Edição de aniversário de O Regional vai integrar acervo histórico de colecionador da Grande SP

Foto: ARQUIVO PESSOAL - Coleção soma 72 edições comemorativas de jornais de todo o país

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 17/10/2021

A edição comemorativa de 50 anos do Jornal O Regional passará a integrar o acervo do colecionar João Renato Amorim, 27 anos, jornalista de Arujá, na Grande São Paulo. O exemplar do Jubileu de Ouro do matutino catanduvense estará ao lado de edições históricas da Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e muitos outros vindos de 16 estados e do Distrito Federal.

“Sou um grande entusiasta do meio jornal, praticamente desde que me entendo por gente. Tanto que isso me ajudou, em parte, na escolha da profissão que viria a seguir. Há uns seis anos, aproximadamente, dedico-me a colecionar edições de aniversário de jornais do país inteiro”, conta Amorim, que traçou como meta pessoal obter um jornal de cada estado brasileiro.

O exemplar de O Regional será a 73ª edição especial de aniversário e 61º jornal de sua coleção. “Completar meio século de vida em um momento tão delicado, para os jornais e a imprensa, é prova inequívoca que a chama da liberdade de expressão jamais cessará enquanto veículos como O Regional cumprirem a missão do bem informar”, enaltece o jornalista.

A relação de Amorim com os jornais impressos foi estimulada por seu pai, que levava para casa exemplares do Estadão obtidos na firma em que trabalhava – e onde também moravam. Ao completar 18 anos, o jovem foi surpreendido por seu pai com a edição do dia em que nasceu, 23 de outubro. Foi o início de uma de suas coleções – exemplares do dia do seu aniversário.

Recentemente, ele relatou essa história em entrevista ao próprio Estadão, em vídeo. “Não conseguia achar a edição de 2016, mandei mensagem para o acervo do jornal e tive a felicidade de ser convidado para conhecer o acervo e gravar vídeo sobre minha história. Pra mim, que sou apaixonado pela história do jornalismo, foi como se eu estivesse em um parque de diversões.”

Entre os itens de sua coleção está a edição de 100 anos da Folha de S.Paulo, de 2021, que trouxe a história do jovem colecionador.

“Meses antes da publicação, pediram que leitores mandassem histórias da relação deles com o jornal, mandei minha história e até uma opinião bem sincera sobre o jornal e foi publicado. Foi um orgulho danado, sair um texto meu em um jornal tão importante, em uma edição tão importante, é algo que vou guardar para sempre.”

A edição de Centenário do Jornal Alto Madeira, de Rondônia, de 2017, ele conseguiu ligando para a redação do periódico dois meses após a publicação. Pouco depois, soube que o jornal fecharia suas portas naquele ano, publicou uma mensagem de despedida nas redes sociais e acabou sendo surpreendido com a publicação do texto na última edição impressa do AM.

Outra história envolve A Gazeta, do Acre. “Eles mandaram um exemplar de 30 anos, de 2015, e mandaram uma carta junto agradecendo. Foram super simpáticos comigo”, conta.

Já a edição do centenário da Gazeta do Povo, de 2019, ele conseguiu em um golpe de sorte, ao ligar para uma banca de jornais e revistas de Curitiba, que por acaso tinha um exemplar guardado.

“O exemplar mais raro da minha coleção, se raro for sinônimo de mais antigo, seria uma edição da Folha de S.Paulo de 80 anos, de 2001. Quem me mandou isso foi o bibliotecário do Museu do Futebol de São Paulo”, cita Amorim.

Além dos jornais da data de seu aniversário e comemorativos dos próprios jornais, ele também reúne cadernos especiais sobre eleições, esportes e datas históricas. “Tenho sobre o quarto centenário de São Paulo, de 1954. Ganhei de um amigo da cidade e guardo com muito carinho.”

Um dos alvos mais desejados do colecionador é a edição de centenário do Estadão, celebrado em 1975. “Por mais distante que possa ter sido celebrado, ainda estou nessa busca. Mas não só do Estadão, de qualquer outro jornal também, porque é muito legal contar a história de qualquer órgão e da imprensa em geral através desses cadernos especiais”, ressalta.