Compartilhar é a palavra-chave para a jornalista Gislaine Sampaio

Depois do Instagram, Gislaine enxergou outra porta, a da mentoria

Compartilhar é a palavra-chave para a jornalista Gislaine Sampaio

Foto: DIVULGAÇÃO - Jornalista lançou-se em mentorias individuais e coletivas via internet

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 03/10/2021

O currículo da jornalista Gislaine Sampaio, 52, é robusto. Pós-graduada em Mass Media e MBA de Comunicação e Marketing, ela acumula experiências em comunicação corporativa, esportiva e pública, campanhas eleitorais, além de jornalismo em rádio, impresso, televisivo e digital.

Workaholic assumida, com sete atividades profissionais simultâneas no dia a dia, Gislaine tem grande exposição ao público como produtora e apresentadora do programa Simples Assim – veiculado em mais de 50 emissoras de tevê em cinco estados brasileiros e canais na internet.

No ano passado, em agosto, ela foi convidada pelo marketing da Rede Central para fazer a divulgação dos produtos voltados para o público de sua faixa etária, como hidratante, protetor solar e outros produtos para a pele. A experiência despertou seu olhar para outras áreas.

“Era muito comum as pessoas enviarem presentes e eu postava no Instagram. Mas ele era até então somente para uso pessoal, tinha na época cerca de 2 mil seguidores, mas apenas para interação com amigos e familiares. Diante dessa proposta, e depois vieram outras, comecei a pesquisar de que maneira eu poderia influenciar as pessoas e ser mais assertiva”, lembra.

Junto à virada de ano, veio a reflexão. “Pensei, preciso entender mais de Instagram, então comprei cursos, fiz cursos gratuitos, assisti a inúmeros vídeos, lives, webinários, maratonas, enfim, tudo que aparecia eu consumia com o intuito de me profissionalizar”, revela.

Foi nesse momento que ela enxergou outra porta, a da mentoria. “Comecei a interagir mais no Instagram, dando dicas sobre como as pessoas podem usá-lo como ferramenta de vendas, criei um minicurso, enxerguei a oportunidade de ir além da orientação com o Instagram, fui mudando o foco”, explica Gislaine, que tem hoje 6,1 mil seguidores em sua página.

Surgiu a solicitação de treinamento de uma pessoa que queria melhorar sua comunicação em público e, com isso, as mentorias individualizadas. “Então enxerguei que eu poderia fazê-las em grupo”, diz a jornalista. “A internet me fez enxergar que aquilo que eu sei pode ser bom, importante, para outras pessoas, e foi aí que decidi criar as mentorias, não apenas as individuais que eu fazia para desenvolver algum tipo de perfil ou profissional, mas fazê-las em grupo, de modo que mais pessoas possam usufruir desse conteúdo que eu posso compartilhar.”