Arte-educadora explica importância e benefícios da leitura para as crianças

Ela diz que o hábito de ter livros em casa incentiva os pequenos a apreciarem a literatura

Arte-educadora explica importância e benefícios da leitura para as crianças

Foto: ARQUIVO PESSOAL - Educadora ressalta que o livro pode ser considerado um brinquedo

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local
Publicado em 23/12/2021

É cedo que se descobre o gosto pela literatura. Além de educativo, o momento da leitura é um passatempo divertido. Em entrevista ao Jornal O Regional, a arte-educadora Sheila da Rocha, falou sobre a importância e os benefícios de incentivar o hábito da leitura nas crianças.

“A literatura tem o propósito de estimular a criatividade, a imaginação levando em conta que até os seis anos de idade da criança é a etapa fundamental para o seu desenvolvimento e as experiências desse período são levadas para o resto da vida. O primeiro contato da criança com a literatura infantil é, na maioria das vezes, no âmbito escolar, quando ela ouve estórias contadas pelos educadores, e através de seus olhares para as ilustrações que lhe são mostradas, ela interpreta e fantasia aquilo que está escutando e vendo, mas que ainda está longe de seu alcance.”

De acordo com Sheila, a literatura pode, até mesmo, cicatrizar um vazio de estímulos que a criança possui. “Segundo o livro lido e pesquisado ‘Do Desenvolvimento da Primeira Infância ao Desenvolvimento Humano’, muitos autores defendem a iniciação do aprendizado na primeira infância, ou seja, tudo o que se aprende ou deixa de aprender, é levado para acrescentar ou cicatrizar um vazio de estímulos, sendo assim suas consequências serão enormes.”

Ela destaca ainda que o hábito de ter livros em casa incentiva a criança a apreciar o livro, não olhando a leitura como obrigação.

“O livro, a literatura, a leitura, a interpretação das ilustrações trazem sensações únicas, diferentes de uma criança a outra. O bebê, a criança que tem acesso a livros em casa, tem uma outra visão de literatura, a que não é só para aprender na escola, não é obrigação ler, pois a leitura traz muito além de aprendizado acadêmico, a literatura traz aventuras, desafios, descobertas, curiosidades, uma pitada de medo. Quem lê se coloca no lugar da personagem e vive com ela toda sua jornada.”

A arte-educadora ressalta que o livro é considerado um brinquedo. “Há quem diga que livro não é brinquedo, mas eu Sheila defendo que é, e todas as suas etapas têm que ser respeitadas. A leitura para o bebê ainda no ventre, as leituras para o recém-nascido, os livros de banho, os contos para dormir, as ilustrações para a primeira e segunda infância, o aprender a ler com os livros enormes e figuras que saltam em 3D, livros com quebra cabeças, poesias brincantes, fábulas, jogos de palavras. A literatura é abrangente e a cada etapa da criança ela pega o gosto pela leitura, estimulada. E para quem inicia a leitura um pouco mais tarde, sempre há muita aventura e emoção para ler.”

Sheila conta sobre o primeiro livro que leu. “Meu livro de cabeceira quando eu tinha sete anos, o primeiro livro quando aprendi a ler e pegamos na Biblioteca Municipal ‘O Cachorrinho Samba’ da autora Maria José Dupré. Eu lembro de ter lido tanto que meus pais acabaram comprando e até sua capa ficou desgastada. E o que me fez apaixonar pelos contos ‘Peter Pan’, obra de J.M. Barrie, onde todas as crianças crescem, exceto Peter Pan. Este amor realmente por esta história perpetuará para todo o sempre. Ler não é somente na escola, ler é o brincar, o interpretar, o contar e recontar, se reconhecer naquela história, se sensibilizar com aquele personagem, querer um final diferente às vezes. Dialogar com o autor.”

Ela completa falando sobre os benefícios da leitura para os pequenos. “O benefício da literatura principal a meu ver é poder conhecer, questionar diversos mundos e realidades diferentes das nossas. Criar em nossas mentes feedbacks do que estamos vivendo e como enfrentaremos um desafio. Como indicação, indico livros onde os personagens são negros, brancos, indígenas, meninos, meninas, reais, fictícios. Livros que respeitem as faixas etárias e que provoquem o ato de querer chegar até o fim daquela história.”

INDICAÇÕES

Sheila da Rocha listou ao Jornal O Regional títulos e livros indicados para as crianças: Dos Chapéus Vermelhinhos (Ronaldo Simões Coelho); O Pequeno Príncipe Preto (Rodrigo França); Conto de Fadas para Garotas Corajosas (Anita Ganeri/Khoa Le); E a Terra Escreveu uma Carta (Jonas Ribeiro/Cris Eich); A Chave do meu Sonho (Daniel Munduruku); No meu Coração e na minha Cabeça...Sentimentos (Richard Jones/Libby Walden); Aventura na Floresta (Alexandre Donizete Penha) e Contos para Garotos que Sonham em mudar o Mundo (G.L.Marvel).