‘Veredas Pedagógicas’, de professora de Rio Preto, é dica de leitura para educadores

Para aliviar as saudades da sala de aula, Maria Carmen Guimarães Possato publicou parte de sua trajetória

‘Veredas Pedagógicas’, de professora de Rio Preto, é dica de leitura para educadores

Foto: DIVULGAÇÃO - Livro traz como uma de suas principais mensagens que o ensino não é apenas o seu texto, mas, principalmente, uma prática

Da Reportagem Local
Publicado em 05/01/2022

Maria Carmen Guimarães Possato não foi professora durante uma boa parte da sua vida. Começou a trabalhar na Rede Oficial bem tarde e, pelo sistema de qualificação, a sua contagem de pontos era sempre muito pequena. Assim, por cada escola que passou, quase sempre era a última a escolher suas classes.

Naturalmente, a professora que vinha antes escolhia as classes melhores, e classe melhor na concepção do professor é classe matutina, de alunos não-repetentes, educados e razoavelmente aplicados. O que sobrava para ela? As classes noturnas, as diurnas de repetentes ou aquelas consideradas difíceis.

Enfrentar essa dificuldade e se sair bem dela tornou-se um desafio. A educadora descobriu, ao longo dos anos, que não havia, a rigor, alunos difíceis. Mas alunos desmotivados, desconcentrados, agitados e, algumas vezes, revoltados com a própria instituição e com os professores que os rotulavam.

A partir dessa constatação, trabalhou 39 anos na busca por soluções. Tal empenho transformou-se em projeto pessoal: colocar significado nas atividades escolares desses alunos, atingindo, em longo prazo, sentido para suas próprias vidas; ensiná-los a visualizar um futuro, acreditar nele e realizar o esforço para construí-lo. Esse projeto prolongou-se até a aposentadoria, passando pelos cursos universitários de Direito, Medicina, Enfermagem, Letras e Comunicação Social.

Para aliviar as saudades da sala de aula, a professora publicou parte dessa trajetória em seu segundo livro, 'Veredas Pedagógicas', publicado pela Helvetia Editions. Registra, neste livro, as veredas da sua caminhada docente, com os estudos específicos da teoria da literatura sobre o leitor-personagem, realizadas no mestrado e doutorado, impregnando sua peregrinação.

Maria Carmen caminhou sempre inspirada nessa escuta literária e, assim, nas veredas do Direito, procurou ouvir as vozes da interdisciplinaridade nas interfaces da linguagem jurídica. Nas veredas da Medicina, buscou em A paixão transformada, de Moacir Scliar e em outros autores, o percurso da Medicina desde o juramento de Hipócrates até a quase ficção científica atual. Nas veredas da Enfermagem, os contos O Espelho, de Guimarães Rosa e O Enfermeiro, de Machado de Assis, introduziram a pesquisa e o estudo da Ética nessa profissão.

Para a escritora das Veredas, “o livro é de importância para os educadores interessados em tornar a docência algo prazeroso e atraente para os nossos estudantes brasileiros. Afinal, o ensino não é apenas o seu texto, mas, principalmente, uma prática”. O livro está disponível para venda no site www.helvetiaeditions.com.

Mineira de São João Del Rei, a professora Maria Carmen é doutora em Letras pela Unesp. Reside no Estado de São Paulo há 55 anos e em São José do Rio Preto há 34 anos. O primeiro livro, 'Veredas Narrativas (Autografia)', narra o amor resiliente das mulheres da sua família em Minas Gerais.