< Back

Vicente Romão fez história com vendas de máquinas, móveis e celulares

Visionário e empreendedor, empresário fundou a Romão Máquinas e Móveis

Image-empty-state_edited_edited_edited.p

Foto: ARQUIVO PESSOAL - Romão tinha orgulho de ter construído uma empresa familiar

Guilherme Gandini
Editor-Chefe
Publicado em 21/11/2021

Catanduvense de coração, Vicente Paulo Romão chegou à cidade em 1966 para construir uma empresa familiar forte e sólida, da qual tinha muito orgulho. Por suas mãos, nasceu a Romão Máquinas, em 1970, e o Usadão, em 1985.

Romão começou sua trajetória em Bauru. Seu primeiro negócio foi uma loja de aviamentos. Passou na seleção de vendedores da Olivetti, da Casa Omnigráfica de Bauru, que vendia máquinas de escrever e calcular. Em 1966, chegou em Catanduva para gerenciar nova unidade Olivetti. Em 1970, casou-se com Célia Regina Elias Romão e adquiriu a loja: nascia a Romão Máquinas.

Os anos seguintes foram marcados por crescimento. Começou a vender móveis coorporativos empresariais e de aço, além das máquinas Olivetti. Em 1977, inaugurou sua loja em prédio próprio na rua Minas Gerais esquina com a 13 de Maio. Em 1985, resolveu diversificar seu ramo de atuação e passou a vender móveis seminovos. Nascia o Usadão, na rua Pernambuco.

Na década de 90, a Romão Maquinas viveu a era do telefone celular, sendo campeã de vendas nacional dos telefones Ericsson, época em que começaram a despontar os computadores e máquinas eletrônicas com editores de texto. Em 2008, reuniu suas empresas em único prédio na esquina das ruas 24 de Fevereiro e Pernambuco, tendo assim uma das lojas com maior área de vendas do ramo no Estado de São Paulo.

Como cidadão, Romão foi membro efetivo do Prodeica de Catanduva na gestão do prefeito Warley Agudo Romão, lançando o Distrito Industrial, membro e presidente do Clube dos 300, Clube dos 21 e fez parte de vários grupos católicos de encontro de casais formando o grupo Cirineu e o São José II, junto com sua esposa Célia.

Romão faleceu no domingo passado, aos 79, deixando a esposa Célia, os filhos Patrícia e José Eduardo, genro, nora e netos, e o legado de um homem visionário, prestativo e empreendedor.