< Back

Na volta às aulas, pedagoga alerta para os cuidados com o emocional da criança

Momento de readaptação à escola pode despertar sentimento de insegurança

Image-empty-state_edited_edited_edited.p

Foto: Divulgação - Pedagoga afirma que crianças precisam ser ouvidas sobre mudanças ocorridas

Guilherme Gandini
Editor-Chefe

Entre tantas preocupações de pais e mães para a retomada das aulas presenciais, a pedagoga e psicopedagoga Juliana Alberto alerta para a necessidade de cuidar do emocional das crianças, trabalhando os sentimentos.

“Primeiramente, nossas crianças precisam ser ouvidas, acolhidas. Temos crianças que passaram pela perda de um ente querido, por um adoecimento, entre outras circunstancias”, comenta.

Ela afirma que esses alunos precisam conversar sobre essas mudanças, precisam se sentir acolhidas a partir do apoio da escola e também da família – apoio psicológico e pedagógico.

Nas crianças menores, o momento de readaptação à escola pode despertar sentimento de insegurança. Diante disso, a pedagoga explica que é necessário ouvir a criança, acolher o sentimento e não menosprezá-la. 

“A orientação é trabalhar de forma individualizada e de acordo com a necessidade de cada um. Assim iremos conseguir alcançar todos os prejuízos que cada uma teve”, afirma.

NÚMEROS

Levantamento feito pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), com apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Itaú Social, apontou que apenas 1,1% das redes de ensino começaram o ano letivo de 2021 com aulas totalmente presenciais e 15,1% de forma híbrida (aulas presenciais e remotas).

O estudo foi realizado entre os meses de junho e julho deste ano, com 3.355 redes municipais, o que corresponde a 60,2% do total de municípios do país.