< Back

Diferença de preço para tirar habilitação em Catanduva pode chegar a R$ 200

Para categoria A e B separada, a diferença é de apenas R$ 50

Image-empty-state_edited_edited_edited.p

Foto: DIVULGAÇÃO - O Detran-SP não pode interferir na relação comercial firmada entre o estabelecimento e o cliente

Myllaynne Lima
Da Reportagem Local

Antes de contratar o serviço de um Centro de Formação de Condutor (CFC) para concluir o processo de formação e ter a tão sonhada habilitação em mãos, vale uma criteriosa pesquisa de mercado. Dependendo da escolha, a diferença no valor cobrado entre as empresas credenciadas pode chegar a R$ 200.

O Jornal O Regional entrou em contato com três CFCs e a média de preço é de R$ 2 mil, mas há quem cobre até R$ 2,2 mil, diferença de 10% no preço final. Para categoria A e B separadas, a diferença é de apenas R$ 50, com preços de R$1.850 a R$1.900.

Segundo o Sindicato das Auto Moto Escolas e Centros de Formação de Condutores do Estado de São Paulo (Sindautoescola.SP), no Estado de São Paulo, uma CNH custa, em média, entre R$ 1,2 mil e R$ 2 mil na categoria A (moto) ou B (carro). As autoescolas seguem a livre demanda de mercado e os preços não são tabelados.

Desse modo, o Detran-SP não pode interferir na relação comercial firmada entre o estabelecimento e o cliente. Já as taxas cobradas pelo departamento são fixas, tais como exame médico, psicotécnico e emissão da CNH, que somadas chegam a no máximo R$ 395, caso o aluno seja aprovado na primeira tentativa.

Além da economia, é importante que o cidadão leia atentamente o contrato, verifique se o estabelecimento é regular e peça recomendações a conhecidos.

“O Detran-SP orienta que os candidatos sempre busquem CFCs credenciados para não serem prejudicados na hora de tirar a habilitação. Em prol da segurança viária, é imprescindível que os candidatos à habilitação aprendam de fato a conduzir o veículo de forma correta e segura”, destaca Neto Mascellani, diretor-presidente do Detran-SP.

A explicação para os custos variarem de um estabelecimento para outro passa por alguns fatores. Tipo: um CFC que utiliza um modelo de carro mais moderno para a realização das aulas práticas de direção.

Já se o curso teórico for feito de forma remota (EAD), os valores devem ser reduzidos, assim como se o candidato optar em realizar cinco aulas práticas em simulador de direção veicular. A região que o CFC está localizado pode também interferir no orçamento.

Para auxiliar os candidatos a tirar a habilitação, o Detran-SP disponibiliza em seu portal (www.detran.sp.gov.br) um tutorial completo com o passo a passo detalhado. Basta acessar o link http://bit.ly/2lt3rCr.

Na página do órgão, na área 'Parceiros', é possível consultar as autoescolas credenciadas pelo departamento.